PUBLICIDADE
Euro/Crise

Alberto João Jardim diz que "agências de 'rating' não entram mais" na região

07 | 07 | 2011   20.15H

O presidente do Governo da Madeira afirmou hoje que as agências de 'rating' “não entram mais na administração pública da região”, sustentando que “Portugal não se pode deixar impressionar por 'jogadas urdidas' do dólar contra o euro”

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Alberto João Jardim comentava, numa inauguração no concelho da Ribeira Brava, a decisão da agência norte-americana de 'rating' de baixar o nível de Lisboa, Sintra, Madeira e Açores para “lixo”.

“Portugal não se pode deixar impressionar por jogadas do dólar contra o euro, em que de facto, por relaxação do Banco Central Europeu foram-se fazendo normas e criando hábitos que puseram a Europa nas mãos das agências americanas”, declarou Jardim

O líder madeirense salientou que “a credibilidade das três agências de rating foi imposta por normas do BCE quando não existia a guerra do dólar ao euro”.

Considerou que a credibilidade destas agências “é muito fraca ou quase nula, porque inclusivamente quando se deu há dois anos a falência de dois grandes bancos norte-americanos, na semana anterior tinham colocado os bancos que faliram com a nota mais alta de rating”.

Referiu que, “neste momento, pelo menos um dos responsáveis por uma destas agências está a responder no tribunal nos Estados Unidos da América por razões que o Ministério Público considera que podem levar a conclusão que são responsáveis em várias anomalias" que se registaram no mercado financeiro norte-americano.

“Não sei o que os senhores do BCE andaram a fazer”, afirmou Jardim, criticando não só a politica orçamentalista, “mas também por terem ficado nas mãos de gente que sabe que quanto mais baixa for notação dos bancos e dos Estados europeus, o mercado dos juros vai fazer subir os juros e o grande capital internacional, mormente o norte-americano, vai aparecer na Europa a ganhar muito dinheiro porque todas estas jogadas fizeram subir as taxas de juro”.

Para Jardim, trata-se de um “ataque urdido”, no âmbito do qual Portugal é apenas “um dos elos frágil”, pelo que garantiu que “esses senhores na Madeira não entram mais na administração pública regional”.

Se houver "bom senso" na Europa "isto leva tudo uma volta”, vincou Jardim.
“Tanto quanto me apercebi em Lisboa ninguém vai ceder, o que está planeado para se fazer vai-se fazer e tenho esperança que dentro de poucos anos Portugal tenha já a cabeça fora de água”, disse.

Saiba mais sobre:
Foto: Lusa
Alberto João Jardim diz que "agências de 'rating' não entram mais" na região | © Lusa

4 comentários

  • Muito bem Alberto, assim é que é
    Antunes Almeida | 08.07.2011 | 00.15Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Já que os politicos do continente não te metem na orde este esbanjador de dinheiros públicos, estas agencias tratam-te da saúde. Agora os Americanos para ti já não prestam? diz também que eles são comunas.
    PILHA GALINHAS | 07.07.2011 | 23.53Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • O Deus, será que finalmente, depois de terem saído aqueles amigos dos portugueses do último governo, está de novo a crescer os tomates aos portugueses? Boa senhor Alberto! Deixámo-las brincar com tudo o que elas quiseram, deu tempo para mostrarem o que são, agora é cair-lhes em cima!
    PORTUGAL A AGIR? | 07.07.2011 | 22.57Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ouçam, ouçam,
    na UE outra reunião,
    Mandaram o Passos a bem da Nação,
    ele disse ao mundo,
    que a situação mudou,
    Mas a Moody´s riu-se,
    não acreditou,
    Diz ao teu governo,
    que arranje outro mote,
    porque nós aqui,
    não vamos no bote,
    E ele ao voltar disse simplesmente,
    Que com transparencia,
    ninguem grama a gente.
    Agora ao constatar,
    ficou pior que um bicho,
    com murros no estomago,
    passamos a ser "lixo"
    Alberto Sousa | 07.07.2011 | 22.14Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE