PUBLICIDADE
Secretas

SIED: Fiscalização concluiu que houve fuga de informação

04 | 08 | 2011   20.31H

O Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República (CFSIRP) concluiu hoje que houve “utilização indevida de meios afetos ao SIED” e “envio indevido de informação” por parte de um ex-diretor dos serviços de informação.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

No final de uma reunião, à porta fechada, com a Comissão Parlamentar de Assuntos Constitucionais, sobre alegadas fugas da parte do antigo diretor do Serviço de Informações Estratégicas e Defesa (SIED), o presidente do Conselho, Marques Júnior, afirmou que este “envio indevido” de informação não é suscetível de “colocar em causa a segurança interna e a defesa dos interesses nacionais”.

“O Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República verificou que se registou uma utilização indevida de meios afetos ao SIED e o envio indevido de informação com desrespeito pessoal de procedimentos de segurança, o qual poderá justificar procedimento interno, não sendo, no entanto, suscetível de colocar em causa a segurança interna e a defesa dos interesses nacionais”, disse.

Marques Júnior limitou-se a ler aos jornalistas um comunicado após a reunião com os deputados sobre as alegadas fugas de informação de um ex-diretor do SIED, Jorge Silva Carvalho, para uma empresa privada, a Ongoing, que decorreu à porta fechada.

No entanto, Marques Júnior nas suas declarações não referiu quem fez “utilização indevida de meios afetos ao SIED” e “o envio indevido de informação”, nem mencionou o nome de Jorge Silva Carvalho.

“Em função do desconhecimento objetivo dos conteúdos dos alegados e-mails não se pode concluir liminarmente pela violação do segredo de Estado por parte dos serviços de informações, até porque ao seu conteúdo se poderá aceder através de fontes abertas e consultas de bases de dados disponíveis no mercado”, afirmou.

Marques Júnior disse ainda que “face a noticias surgidas a propósito das relações entre os serviços de informações e as empresas nacionais, é importante referir que as questões de segurança, oportunidades e riscos da sua atividade empresarial se inserem no domínio da segurança interna e da proteção e projeção dos interesses nacionais, decorrendo os mesmos de forma exclusivamente institucional e com conhecimento da direção superior dos serviços de informações”.

O presidente do CFSIRP reiterou a posição já expressa no relatório de 2010 relativamente à “necessidade de ser ponderada e equacionada a existência de um período de impedimento para o exercício de funções em empresas privadas por parte de altos quadros dos serviços de informações”.

Marques Júnior sublinhou ainda “não ter detetado quaisquer anomalias no funcionamento dos serviços de informações e nos meios utilizados no seu sistema de controlo interno”, tendo-lhes sido “disponibilizada toda a informação solicitada”.

O responsável não respondeu a perguntas dos jornalistas, tendo apenas esclarecido que, em relação à última afirmação, de não ter detetado anomalias, estava a referir-se ao facto de o sistema de controlo interno ter funcionado e por isso é que foram detetados os envios indevidos de informação.

Saiba mais sobre:
Foto: 123RF
SIED: Fiscalização concluiu que houve fuga de informação | © 123RF

7 comentários

  • O tal ex-director que mais se assemelha a um segurança de uma discoteca de 3ª categoria, merece um par de açoites no nutrido rabiosque! O homenzinho tem um ar absolutamente repelente e está bem onde está!
    GAlmeida | 07.08.2011 | 23.42Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Mais um relatório, que para além do facto de confirmar que realmente houve falha de alguém, não diz quem é esse alguém nem há tomada de atitudes, porque na verdade quando não se consegue saber quem é a pessoa que falhou pouco ou nada vale fazer inquéritos, mais uma vez não há culpados de ter informado algo a quem não deviam, talvez só para fazer o jeito, como tem vindo a ser habitual neste pais. 2011-08-05-Manuel Freitas
    Manuel Freitas | 05.08.2011 | 22.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Não diz a lei que o respomsável da fuga de informação será punido com 3 anos de prisão ? Então do que é que estão á espera ? Prenda-se o enfractor. Ou por ser amigalhaço do desonesto Socrates vai ter atenuantes como ele ?
    vilela | 05.08.2011 | 14.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • O SIED estava entregue a coscuvilheiros que usavam a informação privilegiada para a vender; ou seja o ex-director deveria ser preso ao abrigo dos códigos militares.
    É fartar vilanagem: A antiga Pide/Dgs fazia o mesmo.
    clipeds - Rio Maior | 05.08.2011 | 09.26Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Por falar em fuga de informação, cá vai uma informação VERGONHOSA. NÂO VAI CHEGAR 50% DO 13ª MÊS PARA ALIMENTAR TODOS ESTES CHULOS!CONTRA FACTOS... Reencaminhem, p.f., ao maior nº de contactos possível! É imperioso e urgente que o nº máximo possível de Portugueses tomem conhecimento destas vergonhas!!!
    Verdadeiro crime social!!! (entre muitos outros). Folha salarial da Fundação Cidade de Guimarães Folha salarial (da responsabilidade da Câmara Municipal) dos
    administradores e de outros figurões, da Fundação Cidade de Guimarães, criada para a Capital da Cultura 2012: - Jorge Sampaio - Presidente do Conselho de Administração:
    14.300 € (2 860 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 500 € por reunião
    - Carla Morais - Administradora Executiva
    12.500 € (2 500 contos) mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião
    - João B. Serra - Administrador Executivo
    12.500 € mensais + Carro + Telemóvel + 300 € por reunião
    - Manuel Alves Monteiro - Vogal Executivo
    2.000 € mensais + 300 € por reunião Todos os 15 componentes do Conselho Geral, de entre os quais se
    destacam Jorge Sampaio, Adriano Moreira, Diogo Freitas do Amaral e Eduardo Lourenço, recebem 300 € por reunião, à excepção do Presidente (Jorge Sampaio) que recebe 500 €. Em resumo: 1,3 milhões de Euros por ano (dinheiro injectado pelo Estado Português) em salários. Como a Fundação vai manter-se em funções até finais de 2015, as despesas com pessoal deverão ser de quase 8 milhões de Euros !!!
    Reparem bem: Administradores ganhando mais do que o PR e o PM ! Esta obscenidade acontece numa região, como a do Vale do Ave, onde o desemprego ronda os 15 % !!!
    Alguém acredita em leis anti-corrupção feita por corruptos?
    Adelaide Ferreira Sousa Seabra | 05.08.2011 | 09.07Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • ET:::::::::::::::::::::::pergunta: só algumas!!!???possa possa....no meu planeta original, se vende-se informação:::::::::era punido com pena de morte.....por cá, por cá...Cábasta!!!!.....em 1917, como seria!!??? No Vaticano também têm serviços secretos!!!???????
    E.T.spilberg | 05.08.2011 | 01.10Hver comentário denunciado
  • Façam um vídeo e enviem-nos aos finlandeses! Mais uma bela oportunidade para eles ficarem a conhecer melhor o país.
    VIDEO AOS FINLANDESES | 04.08.2011 | 22.36Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE