Autarquias

Lisboa diz que cortes que fez nos dirigentes já foram além do acordo com a 'troika'

09 | 09 | 2011   18.30H

Os critérios anunciados para reduzir chefias nas autarquias obrigam a Câmara de Lisboa a cortar nos diretores municipais, mas a autarquia diz que a recente reforma dos serviços ultrapassou a redução mínima de 15% imposta pelo memorando da ‘troika’.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Na quinta-feira o Governo anunciou que vai propor, no âmbito da reforma da Administração Local, uma redução dos dirigentes municipais para cerca de metade.

O Executivo pretende alterar os critérios quanto ao número de dirigentes por habitante de forma a que os dirigentes superiores (diretores municipais) sejam no máximo 35, os dirigentes intermédios de primeiro grau não ultrapassem os 196 e os dirigentes intermédios de segundo e terceiro grau sejam no limite 1.264, totalizando 1.495 dirigentes.

O critério de um dirigente superior (diretor municipal) por cada 100 mil habitantes aplicado a Lisboa faria com que este concelho reduzisse o seu número de diretores municipais para cinco.

Contactada pela Lusa, fonte do gabinete da vereadora responsável pela Modernização Administrativa realçou que a autarquia, com a reorganização dos serviços concluída no início do ano, “introduziu alterações muito relevantes ao nível da racionalização de procedimentos e da estrutura orgânica, com a redução de 16% do número de dirigentes, portanto 1% acima do que consta do acordo da troika (15%)”.

Com a reorganização de serviços a autarquia cortou 32 cargos dirigentes, o que, segundo declarações anteriores da vereadora Graça Fonseca, significa uma contenção anual de 500 mil euros.

A proposta do Governo está incluída no Documento Verde que será agora apresentado à Associação Nacional de Municípios, à Associação Nacional de Freguesias e à sociedade em geral como base para um debate sobre a reforma da Administração Local.

Segundo os dados do Executivo disponibilizados à agência Lusa, existem atualmente 70 dirigentes superiores (diretores municipais), 563 dirigentes intermédios de primeiro grau (diretores de departamento e equiparados) e 2.504 dirigentes intermédios de segundo e terceiro grau ou inferior (chefes de divisão e equiparados), o que dá um total de 3.137 dirigentes.

Se o objetivo do Governo se concretizar, passará a haver menos 1.642 dirigentes municipais, o que corresponde a uma redução de 52 por cento. A poupança estimada é de 40 milhões de euros.

Saiba mais sobre:
Foto: DR
Lisboa diz que cortes que fez nos dirigentes já foram além do acordo com a 'troika' | © DR

4 comentários

  • Aí estão os lóbis no melhor. A lista do Jornal de Noticias é arrasadora. Estes canalhas, são a sanguessuga deste País. Mas o Jornal de Noticias devia, expor a lista de todos os municípios a nível nacional. Aí sim o escândalo, seria de abrir a boca, com municípios de 3 mil eleitores com os taxos que tem.
    joao | 10.09.2011 | 20.40Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Pôe os olhos na GEBALIS, onde há um chefe para cada funcionário. Em vez de pagarem fortunas aos administradores que mais não são do que clientes do Partido, que seja a própria Camara a administrar a GEBALIS. O dinheiro que se poupava com as mordomias desses senhores dava para muita coisa util. E se acabarem com o excesso de chefes que não são chefes de nada, só andam a empatar quem trabalha, vejam bem o dinheiro que poupam. E não se esqueçam dos assessores a ganharem 2000 Euros por mês e nem sequer têm posto de trabalho. Estão em casa e o dinheiro cai-lhes na conta bancária sem fazerem nenhum. Na sede há um(a) chefe para cada funcionário que apenas servem para desmotivar quem quer trabalhar. Estão constantemente a mudar os funcionários de funções para meter os boys dos partidos. E o CDS que não tente meter o rabinho d fora porque a falecida Maria José Nogueira Pinto meteu lá muitos assessores do CDS, dos tais que estão em casa e ganham 2000 Euros por mês. Há lá de todos os partidos. Integrem a empresa na Camara e acabem com a administração, com os chefes intermédios e com os assessores que custam milhões de Euros sem fazerm nenhum!.
    a gebalis é um ninho de ratos(as) dos partidos | 10.09.2011 | 00.01Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Este GHoverno nestá no caminho certo... É do tipo General sem medo... Tenho pena de não ter votado nele...!
    fafe | 09.09.2011 | 23.18Hver comentário denunciado
  • Pôe os olhos na GEBALIS, onde há um chefe para cada funcionário. Em vez de pagarem fortunas aos administradores que mais não são do que clientes do Partido, que seja a própria Camara a administrar a GEBALIS. O dinheiro que se poupava com as mordomias desses senhores dava para muita coisa util. E se acabarem com o excesso de chefes que não são chefes de nada, só andam a empatar quem trabalha, vejam bem o dinheiro que poupam. E não se esqueçam dos assessores a ganharem 2000 Euros por mês e nem sequer têm posto de trabalho. Estão em casa e o dinheiro cai-lhes na conta bancária sem fazerem nenhum. Na sede há um(a) chefe para cada funcionário que apenas servem para desmotivar quem quer trabalhar. Estão constantemente a mudar os funcionários de funções para meter os boys dos partidos. E o CDS que não tente meter o rabinho d fora porque a falecida Maria José Nogueira Pinto meteu lá muitos assessores do CDS, dos tais que estão em casa e ganham 2000 Euros por mês. Há lá de todos os partidos. Integrem a empresa na Camara e acabem com a administração, com os chefes intermédios e com os assessores que custam milhões de Euros sem fazerm nenhum!
    a gebalis é um ninho de ratos(as) dos partidos | 09.09.2011 | 18.44Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE