PUBLICIDADE
AR

PSD, CDS, PCP e BE unidos nas críticas à Parque Escolar

15 | 09 | 2011   21.40H

PSD, CDS, PCP e BE uniram-se hoje nas críticas à empresa Parque Escolar, apesar da recusa dos sociais-democratas e dos democratas-cristãos em apoiar o diploma comunista que propunha a extinção da empresa.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

“A Parque Escolar é um exemplo de má gestão em todos os aspetos”, sustentou o deputado do PCP Miguel Tiago, durante a discussão em plenário do projeto de lei do seu partido que propunha a extinção do “monstro” da Parque Escolar.

Argumentando que é necessário terminar com as “verdadeiras e inúteis gorduras do Estado”, Miguel Tiago defendeu a realização de um trabalho de requalificação autêntico do parque escolar, a ser desenvolvido pelo próprio ministério da Educação.

Pelo BE, a deputada Ana Drago corroborou as críticas, insistindo na necessidade de continuar o trabalho de requalificação das escolas, transferindo o património atualmente na posse da Parque Escolar para o próprio Estado.

Amadeu Albergaria, do PSD, lembrou que para os sociais-democratas a Parque Escolar não é uma preocupação nova, pois apesar da “curta história” da empresa o seu partido sempre teve as “maiores reservas”.

O deputado social-democratas notou ainda que o endividamento atual da Parque Escolar é já de 946 milhões de euros, mas recusou colocar um ponto final da requalificação do parque escolar.

“Mas não podemos continuar a gastar irresponsavelmente”, defendeu, acrescentando que o PSD não irá apoiar o diploma do PCP, preferindo esperar pelos resultados da auditoria financeira pedida pelo Governo à empresa.

O deputado do CDS-PP Michael Seufert apoiou esta posição, considerando que, após a conclusão da auditoria, será então altura de “repensar como fazer as obras de requalificação e um modelo alternativo à Parque Escolar”.

Já no final do debate, a deputada do BE Ana Drago, partido que também apresentou um projeto de resolução para que o património público que foi transferido para a Parque Escolar reverta novamente para o Estado, condenou a atitude do PSD e do CDS-PP de “apontar baterias contra o PS” e “chutar para canto” em relação ao futuro.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE