PUBLICIDADE
PS

Ex-secretário de Estado Manuel Pizarro critica falta de medidas de crescimento económico

05 | 10 | 2011   20.23H

O presidente da comissão política concelhia do PS/Porto, Manuel Pizarro, criticou hoje o Governo por não ter anunciado “uma só medida de promoção do crescimento económico”, criticando também Passos Coelho pela “obsessão de desmantelar os principais serviços públicos”.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Admitindo que o PS “está comprometido nas metas do acordo com a ‘troika’”, o ex-secretário de Estado da Saúde frisou que isso não diminui a “discordância” dos socialistas “com um governo que, em quase quatro meses, não anunciou uma só medida de promoção do crescimento económico”.

Manuel Pizarro falava no Porto, durante a intervenção de homenagem a Beatriz Cal Brandão, fundadora do PS, que considerou como exemplo inspirador para “fazer opções claras e debatê-las com persistência e tolerância”, para “recusar a resignação” e para prosseguir “a luta por um mundo melhor”.

O deputado socialista considerou ainda que “em nome de uma obsessão ideológica – a obsessão de desmantelar os principais serviços públicos – a direita do atual Governo vai impor ao país e aos portugueses um longo período de sofrimento, sem fim à vista”.

Pizarro sublinhou a “indignação” socialista “perante a entrega incondicional das chamadas golden-share, em empresas de serviços essenciais”, pois isso “representa uma capitulação de que o país sofrerá graves consequências”.

O responsável disse que o PS sabe que a austeridade e os sacrifícios são inevitáveis, mas que não pode “concordar que a única receita seja aumentar os impostos, diminuir os serviços públicos e encarecer, de forma colossal, o seu preço”.

Na sua perspetiva, esta é a receita para uma “recessão mais grave, mais profunda e mais duradoura”.

Manuel Pizarro questionou, em concreto, a redução de verbas para transplantação de órgãos, a privatização de “empresas públicas rentáveis a preço de saldo, sem concurso e sem transparência”, e o desmantelar de “estruturas regionalizadas” do Estado.

“Em alguns momentos é mesmo a decência do Estado que está posta em causa. Será aceitável suspender a entrega de prémios escolares aos melhores alunos depois de eles estarem atribuídos?”, questionou, afirmando o PS como “uma alternativa movida, em primeiro lugar, pelo interesse nacional”, com uma atitude de reforçada responsabilidade.

A homenagem a Beatriz Cal Brandão foi organizada pela comissão política concelhia do PS/Porto e contou com a presença de Mário Soares, fundador do PS e antigo Presidente da República.

Beatriz Cal Brandão nasceu no Porto em 1914 e faleceu este ano com 97 anos de idade.

Foi a primeira mulher portuguesa a licenciar-se em Engenharia Química e exerceu ativamente a sua profissão.

Fez parte do restrito núcleo de fundadores do Partido Socialista e depois do 25 de abril de 1974 foi eleita deputada à Assembleia da República, cargo que exerceu entre 1975 e 1985.

No Parlamento foi sua a primeira intervenção em defesa da despenalização do aborto, de modo a preservar a dignidade das mulheres.

1 comentário

  • Será que a doença de Alzheimer, é contagiosa? Pergunto isto porque nos últimos tempos aparecem uma data de tipos do PS a falar em economia, em finanças, em segurança social, cortes na saúde etc. Mas o que é que eles fizeram nos 6 anos de poder? Já se esqueçeram?? Os portugueses não por isso o PS continua tão em baixo nas sondagens.
    João | 06.10.2011 | 16.55Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE