PUBLICIDADE
Coimbra

Recepção ao Caloiro em festa, críticas sociais à mistura

01 | 11 | 2011   19.19H
A recepção ao caloiro não podia ser mais colorida em Coimbra.
Destak/Lusa | destak@destak.pt

De salientar que o cortejo da latada de recepção é um dos momentos altos da sua (ainda curta) vida universitária, mas este ano teve à mistura críticas sociais.

Duas dezenas de ativistas da Acampada de Coimbra integraram-se hoje no Cortejo da Latada dos estudantes para reforçar a crítica social num evento académico este ano muito marcado pelas mensagens de protesto.

O grupo da Acampada incorporou-se no cortejo a meio, entrando não na tradicional Praça D. Dinis, mas na Praça da República. Com a faixa na fronte do grupo onde se podia ler "Ensino Superior público e gratuito", vários membros empunhavam cartazes de cor parda, contrastando com os garridos dos restantes, ilustrativos das faculdades da universidade.

"Um escravo feliz é o pior inimigo da liberdade", "Da indignação à ação" e "Respeitem as pessoas, os bancos não" eram algumas das mensagens que ostentavam.

O grupo da Acampada, que desfilava silenciosamente, em contraste com os restantes colegas, ia chamando a atenção a quem nas bermas das ruas assistia ao cortejo.

Uma "doutora dizia" para um acompanhante: "isto não é tradição". Um jovem, parafraseando a mensagem de um cartaz comentava: "Propinas zero? Então vou para a faculdade".

Contrariamente ao que anunciaram, o grupo da Acampada não desmobilizou na Praça 8 de Maio, onde habitualmente realizam as assembleias populares, tendo optado por seguir o cortejo, já muito compacto, pelas ruas da Baixa.

O cortejo, que começou cerca de duas horas depois das 15:00 previstas, foi aberto pela Associação Académica de Coimbra (AAC), com o presidente da Direcção Geral Eduardo Melo a empunhar um cartaz com uma foto do ministro da Educação, Nuno Crato.

Logo a seguir, uma grande faixa negra referia "864 milhões de cortes na Educação". À volta, seguiam alguns estudantes com uma caixa de "esmolas" ao pescoço.

Embora o ambiente fosse de festa, e os protagonistas os "caloiros" vestidos de forma grotesca e arrastando latas, o cortejo deste ano assumiu um forte pendor crítico, visível, quer em faixas, quer em dizeres inscritos nas próprias vestes.

"Quem quer casar com a carochinha nesta sociedade que se afunda na crise", perguntavam uma estudante, enquanto outras ostentavam: "Prisioneiras da crise" e "Pipi das propinas altas".

Num "veículo" da Faculdade de Economia, movido à força motriz de caloiros, formado pela junção de vários carrinhos de compras, e adornado de latas de cerveja e garrafões de vinho, e com vários "doutores" em cima, podia ler-se "Escudo volta, estás perdoado".

As 'latadas' remontam ao século XIX quando os estudantes em maio exprimiam ruidosamente a sua alegria pelo termo do ano letivo. Desde os anos 50 passaram a ser realizadas no início do ano letivo, para festejar a chegada dos "caloiros" à universidade, sendo utilizadas também para alguma crítica social e académica.

Noutra nota, segunda-feira a Académica recebeu a visita de Gabriel, o Pensador. O músico brasileiro esteve na Academia Dolce Vita onde apresentou o projecto que se encontra a desenvolver no futebol.

Foto: paulo novais lusa
Recepção ao Caloiro em festa, críticas sociais à mistura | © paulo novais lusa

4 comentários

  • O Governo deve acabar com estas palermices.
    anónimo | 02.11.2011 | 11.32Hver comentário denunciado
  • Até é lindo . . . ! As "malguinhas" . . . ! Ornamentadas "À la Planche" . . . ! Só falta, mesmo . . . ! O "cravo" na lapela . . . ! ! !
    alexandre barreira | 02.11.2011 | 06.58Hver comentário denunciado
  • Os turistas olham para eles primeiro com interrogação, depois com pena. E depois voltam aos seus países e quando é necessário financiar Portugal dizem que não obrigados, não querem mais financiar aquele mar de idiotas. Façam um vídeo dessa trupe e enviem-no também para a Finlândia, com o título: "a little bit more of what the finnish have to knw about Portugal".
    SALOIADA | 01.11.2011 | 22.42Hver comentário denunciado
  • Coitados- parecem pais natais. Que idiotice.
    anónimo | 01.11.2011 | 19.30Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE