PUBLICIDADE
Feriados

António Barreto considera urgente acabar com pontes e tolerâncias de ponto

19 | 11 | 2011   22.12H

O sociólogo António Barreto considera a redução de feriados nacionais "uma falsa questão" e defende que o problema grave que o Governo tem que resolver urgentemente são as tolerâncias de ponto e as pontes.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

"Em Portugal o que é um problema muito grave são as tolerâncias de ponto, as tardes de véspera de feriado, as pontes de dias inteiros, as tolerâncias de ponto nas pontes. São problemas terríveis que os governos que mudar urgentemente", disse à Lusa o sociólogo António Barreto.

"Um bocadinho irritado" com a forma como está a ser discutida a hipótese de redução de quatro feriados nacionais, dois laicos e dois religiosos, António Barreto afirma tratar-se de "uma falsa questão" para o país que considera estar a "meio da tabela" em relação a cerca de 80 países.

Excluindo o domingo de Páscoa, António Barreto, conta em Portugal "doze feriados" que deixam o país até "mais baixo na tabela" do que vários países europeus que têm " 14, 16, 18 ou até 19 feriados".

Daí que para o sociólogo "o que é importante e urgente" é acabar com as pontes e tolerâncias de ponto e, numa segunda etapa, "fazer uma discussão serena, que não viesse misturada com a crise, sobre a recolocação de alguns feriados, que poderão passar a ser festas móveis para se poderem aproximar da sexta ou da segunda-feira".

Já a discussão sobre a supressão de alguns dos feriados nacionais, António Barreto defende que deve ser analisada "com mais tempo e mais sossego", remetendo para daqui a três, quatro ou cinco anos, a decisão sobre se vale a pena suprimir alguns".

Se depois de uma análise com "toda a calma e serenidade" se concluir que " o feriado do regime, é o 25 Abril", António Barreto admite que se possa "esquecer o da República (5 de Outubro) "ou que "dos dois feriados nacionais, o 10 de Junho e o 1º de Dezembro, o país passe a viver só com um".

Mas para o sociólogo "é ridículo pensar que isto faz parte das medidas da 'troika' para salvar Portugal" pelo que recusa qualquer" discussão sob ameaça, conforme está a ser feito, como se fosse do mais urgente, fosse preciso fazer para a amanhã ou que fossemos salvar a pátria por causa de dois feriados".

António Barreto concorda que a igreja seja chamada à negociação sobre quantos e quais os feriados religiosos ou laicos devem ser abolidos desde que essa discussão "não seja feita absolutamente fora do tempo, sem sentido e fora do que é razoável" como considera estar a acontecer.

António Barreto falava em Caldas da Rainha à margem de uma conferência em que foi orador convidado do último Café Literário organizado pela Loja 107, uma emblemática livraria da cidade que fechou portas no final de setembro, devido a dificuldades económicas.

Saiba mais sobre:

8 comentários

  • o dr antonio barreto tem toda a razao deste mundo e dou outro que ha-de vir... amen hehhe a pontas sao feriados encapotados de semanas de ferias no algarve, eu moro no algarve e sei disso e sou visinho do antonio barreto no peso da regua de onde somos naturais heheh grande gente aquela, nao sao mouros heheheh e sabem o que dizem e fazem, menos eu heheheh. antonio assume a tua palavra nesta crise, mas todos falam e ninguem trabalha como acaba a crise? jamais em tempo algum heheheh
    jorge monteiro- vila real santo antonio | 21.11.2011 | 10.55Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Os dias de ponte são descontados ou não, conforme o patrão ...
    Santola | 21.11.2011 | 10.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Tanta conversa . . . ! Para quê . . . ? ! Ponham o 25/04/1974 . . . ! Na 3ª. Feira . . . ! De Carnaval . . . ! E o "busílis" . . . ! Fica resolvido . . . ! ! !
    alexandre barreira | 20.11.2011 | 21.31Hver comentário denunciado
  • Pois caro António Barreto, cidadão que admiro e estimo muito pela sua sensatez e atitude, permita-me que discorde... Eles ou não sabem... Ou não dizem...! O que está a perturbar a velha EUROPA e mesmo a grande AMÉRICA, é o excesso de Produção de coisas...Há uma híper produtividade em tudo e o consumo já não consegue acompanhar... Una Sapatos, Calças; fatos de Homem, roupas de todo o tipo são excedentes já... Pior ainda com a entrada das (coisas Chinesas...) em excesso, então é tiro e queda... Reparem; quem está de vento em POPA...? Apenas dois países, pelo menos os mais conhecidos e populosos do mundo...Haverá hipótese de por cobro a isto...? Acho muito difícil. Vai ser uma calamidade...Embora prefira enganar-me completamente... A ver...Vamos.(A fartura acaba por aborrecer...?)
    Farturas | 20.11.2011 | 20.44Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • JOÃO, os dias das pontes nunca foram descontados no vencimento. Pura e simplesmente, são dias dos quais o funcionário beneficia e o total destas pontes chegam a totais que não fazem sentido.
    Rosa | 20.11.2011 | 19.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ó António Barreto ganhavas mais em estar calado!...
    Palhaço | 20.11.2011 | 15.46Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • De preferência, Sr. Professor, acabar-se com os pontos, polivalentes, que botam faladura sobre o que sabem e sobre o que ignoram!
    Serra de Xisto | 20.11.2011 | 15.22Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Barreto, vejo que estás caduco. As tolerâncias de ponto, sempre foram dadas pelos desGovernos. As pontes não existem, existem apenas 2 situações para que aconteçam. Ou se goza 1 ou 2 dias de férias, ou esses dias são descontados no vencimento. Pensava que fosses mais inteligente, afinal, os políticos e os arautos da verdade, foram e são um embuste.
    joao | 20.11.2011 | 13.20Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE