violência doméstica

Marinho Pinto não altera uma vírgula do que disse na AR

16 | 05 | 2008   21.53H

«Não retiro uma vírgula àquilo que disse, lamento é que não tenha sido transcrito correctamente tudo o que referi», sublinhou Marinho Pinto.

Segundo a imprensa, o bastonário da Ordem dos Advogados defendeu terça-feira no Parlamento que a violência doméstica não deveria ser crime público, porque inviabiliza a desistência do processo, caso a vítima o deseje.

Recorde-se que, no Parlamento, Marinho Pinto disse «haver um certo fundamentalismo na violência doméstica como crime público», voltando a defender a existência de um mecanismo que «permita à vítima desistir, perante um juiz».

Já hoje, Marinho Pinto, que falava hoje aos jornalistas no final de uma visita às instalações provisórias do Tribunal de Santa Maria da Feira, não quis comentar as manifestações de repúdio tornadas publicas pela União de Mulheres Alternativa e Resposta (UMAR) e pela Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).

«Estou habituado a críticas. Quem não gosta de calor não trabalha na cozinha», ironizou, escusando-se a «alongar em comentários». No entanto, garantiu que quando voltar ao Parlamento voltará «a falar sobre isto».

Após as declarações atribuídas a Marinho Pinto no Parlamento, a presidente da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV) disse ter ficado «perplexa» com as declarações do bastonário da Ordem dos Advogados.

Pedro Junceiro com Lusa | pjunceiro@destak.pt
Foto: TIAGO PETINGA/LUSA
TIAGO PETINGA/LUSA | © TIAGO PETINGA/LUSA

3 comentários

  • não só não devia ser crime público, como só devia ser configurada aos casos de dependência - mormente económica. também moldura penal é absurda: um encontarão à mulher/homem = 1 a 5 anos de prisão, enquanto que, porque lhe apetece, A dá uma valente porrada a B = 0 a 3 anos... sem comentários!!! do mesmo modo, a violência dp homem à mulher (mesmo a psicológica) deixa marcas e testemunhos, já a da mulher ao homem - em regra - NÃO SE PROVA!!!, mas sabe-se estar a montante de muita violência do homem sobre a mulher... e para esta questão... não tenho solução!
    manuel | 24.07.2008 | 00.52H
  • Não estou de acordo,á vitima não pode ser permitido desistir da queixa.A maíoria está tão abituada a apanhar que já acham normal,e quando perdem "a pancada" sentem falta da mesma...ERROU , PAGOU.
    lia fenix | 20.05.2008 | 08.42H
  • Também estranhei muito o que os jornais escreveram. Há aqui algo que não bate certo. O Marinho Pinto nunca poderia ter dito uma coisa destas. Das duas uma, ou foi mal interpretado, e acredito que tenha sido, ou então estão a querer fazer-lhe a cama. Talvez tenham ocorrido as duas coisas.
    CD | 19.05.2008 | 15.31H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE