Resultado das averiguações

Governo encerra Universidade Moderna

30 | 07 | 2008   23.18H

Em comunicado divulgado durante a tarde de hoje, o Ministério do Ensino Superior, dirigido por Mariano Gago, revela que as duas entidades têm até 31 de Agosto para contestar a decisão, sendo posteriormente tomada uma decisão definitiva.

Em Agosto do ano passado, o ministro do Ensino Superior abriu um processo de averiguações relativamente ao funcionamento da Universidade Moderna e às autorizações para cursos nos pólos de Beja e Setúbal cuja a gestão está a cargo da Dinensino.

Assim e depois de concluído o processo de averiguações realizadas pela Inspecção-Geral do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e pela Direcção-Geral do Ensino Superior concluíram que não existe «viabilidade económico-financeira da Dinensino» e que a Moderna funciona «em condições de grave degradação institucional».

Ainda neste processo, o Ministério do Ensino Superior reitera, apesar do desfecho das averiguações que ditaram o encerramento compulsivo do estabelecimento académico, que devém ficar salvaguardados «todos os registos académicos» dos estudantes.

João Marco Pinhão com Lusa | destak@destak.pt
Foto: dr
dr | © dr

9 comentários

  • E fez muito bem, aquilo era só oferecer cursos pela porta do cavalo, acababou-se a mama.... Está na hora de começar a alimpar o País...
    João Silva | 07.10.2008 | 02.37H
  • De facto, há os que só pensam em estragar com o recurso a corrupções, facilitismos, falta de rigor e de seriedade, e há os outros...
    sicy | 01.08.2008 | 13.51H
  • E eu mandava fechar o país. Fernando Pessoa dizia que Portugal é um país de belas paisagens e o que o estraga são os portugueses.
    espanholado | 31.07.2008 | 14.22H
  • Penso que revela também alguma ignorância alguém que considera que deveriam ser encerrados de forma generalizada os politecnicos em portugal e faculdades privadas, tais como, Instituto Miguel Torga, o Instituto Byssaia Barreto, a Universidade Fernando Pessoa e o ISMAI. Mas esta é uma questão que nenhum de vocês tem que avaliar, há entidades competentes para tal.
    FAlves | 31.07.2008 | 12.04H
  • Eu andei no Técnico e posso afirmar que temos muitas saidas profissionais e até bastante reputação junto de empresas e de outras faculdades. Mas o Técnico não é nem nunca foi do sector politécnico, mas sim do universitário - pertence à Universidade Técnica de Lisboa. O amigo SP não deve ter andado numa coisa nem noutra uma vez que fala de técnico e de politécnico como uma e a mesma coisa o que revela grande ignorância sobre o ensino superior.
    Ricardo, Aveiro | 31.07.2008 | 11.39H
  • Bem, deixem-me discordar com o comentário do Ricardo no que respeita aos Institutos Politecnicos publicos. Eu estudei num politécnico e o que aprendi lá quando comparado com algumas pessoas que vieram da universidade do porto e que estão na minha empresa é muito superior. Aliás preferimos contratar pessoas do tecnico que das universidades, que chegam cá com conhecimentos exclusivamente teóricos (note-se que há excepções). Além disso, dou aulas exporadicamente numa universidade e consigo ver perfeitamente a diferença. Alias os próprios alunos se queixam disso e por isso tenho uma boa aceitação nas minhas aulas. Podem haver politécnicos maus, mas a minha experiencia com eles como estudante e como empregador é excelente.
    SP | 31.07.2008 | 11.18H
  • A Universidade dos Corruptos, também não se perde nada...
    Trituradeira | 31.07.2008 | 10.37H
  • E a Universidade Internacional é outro bom lixo...
    anónimo | 31.07.2008 | 04.07H
  • Agora só falta encerrar umas dezenas de instituições privadas piores que medíocres, como o Instituto Miguel Torga, e o Instituto Byssaia Barreto em Coimbra, a Universidade Fernando Pessoa no Porto, ou o ISMAI na Maia, e uma grande parte dos cursos dos institutos politécnicos públicos que de qualidade, exigência e rigor não têm nada de nada.
    Ricardo, Aveiro | 31.07.2008 | 03.08H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE