PUBLICIDADE
Educação

Mais alunos deixam exames nacionais para a 2.ª chamada

25 | 06 | 2007   08.03H

Em Matemática A, a segunda disciplina com mais inscritos para exame, 10 058 dos 51 772 estudantes não compareceram. Uma percentagem de ausências de 19%, superior à do ano lectivo passado: 16%.

Esta tendência repete-se em outras seis disciplinas, de acordo com os números disponibilizados pelo Ministério da Educação - até ao fecho desta edição, o Destak não conseguiu obter os dados comparativos de todos os exames. Matemática B (menos 13%) e Espanhol (12%) são as cadeiras com as maiores quebras na afluência.

Obter a melhor média

Como o primeiro concurso de acesso ao Ensino Superior engloba as duas fases dos exames nacionais, muitos alunos preferem adiar a realização de algumas provas. Assim, ganham mais tempo para estudar, aumentando as possibilidade de conseguirem uma boa média.

Esta é uma das explicações para o facto de quatro em cada 10 alunos de Português A, prova de acesso em muitos cursos de Humanidades, terem faltado à primeira chamada. Situação inversa ao registado em Português B (85% de presenças), cadeira pouco significativa para quem quiser seguir, no Ensino Superior, a área de Ciências.

Apostar no ensino pré-escolar

Enquanto os mais velhos procuram garantir o acesso à universidade, também o futuro dos mais novos poderá mudar a curto prazo. Isto porque o Ministério da Educação considera urgente reorganizar os ciclos de ensino. E uma das mudanças pode passar pela antecipação da entrada na escola primária.

Opção que os sindicatos do sector consideram errada, uma vez que a aposta deve ser feita no pré-escolar. «Nós queremos é que sejam dadas a todas as crianças a oportunidade de frequentarem a educação pré-escolar», afirmou Maria do Céu Silva, da FENPROF.

Também à Rádio Renascença, João Dias da Silva, da FNE, defendeu as vantagens de reforçar a educação antes da escola primária. Para isso, a frequência do pré-escolar, com três e quatro anos, deve ser gratuita», embora possam ser as famílias a decidir se as crianças devem ou não frequentar esses dois anos.

João Moniz | jmoniz@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE