PUBLICIDADE
Roadster

Um Gt intenso e com capota

28 | 10 | 2008   10.46H

A emoção da condução bem perto da estrada é especial ao volante de um roadster. O Opel GT consegue ser uma opção abaixo dos 50 mil euros, repleta de potência e diversão - são 264 cavalos num motor de 2 litros recheados de adrenalina.

A marca alemã que pertence à General Motors utilizou os recursos do grupo vindos de carros como o Pontiac Solstice ou Corvette para elaborar esta versão europeia que substituiu o antigo Speedster. Para designá-lo, a marca foi ao passado, utilizando o mesmo nome, GT, do roadster produzido entre 1968 e 1973.

Comecemos pelo exterior. As linhas aguerridas, a largura de eixos e a frente longa, com entradas de ar no capot e aberturas de refrigeração laterais, transmitem-lhe um ar clássico e imponente, pronto para a "guerra". Ao entrar, cedo se percebe a vocação roadster do GT. É necessário descer até muito perto do chão para nos sentarmos (está mais próximo do deitar) num posto de condução com uma posição boa. O conforto dos bancos é outra vantagem, aliada à regulação eléctrica em altura e ao apoio para uma condução mais aguerrida.

Nos problemas destacamos os plásticos do tablier, a falta de um mínimo de arrumação para os dois ocupantes (uma pequena caixa atrás não resolve) e os comandos de vidros (de difícil acesso). O manuseamento da capota de lona é um pouco dificultada - mais um elemento clássico - que demora e custa a montar (mais do que recolher) e a inexistência da mala quando se tem a capota recolhida.

Mas a alma de um roadster é mesmo a da performance e, nesse aspecto, o GT brilha alto, ainda que comece a cumprir a sua plenitude em rotações mais altas. Com um "rosnar" agradável e uma aderência à estrada impecável (tem tracção traseira), acelerar é uma experiência em crescendo: agradável no início e, à medida que as rotações sobem, torna-se mais intensa e com vida própria. O ter-reno por excelência do GT é a auto-estrada, onde é possível verificar o seu potencial de aceleração e recuperações, bem como a excelência na hora de curvar. Já nos pisos irregulares não se comporta tão bem e sem a capota regista uma elevada turbulência.

No fundo, é roadster descapotável por excelência, com vantagens e desvantagens aliadas a esse facto.

João Tomé | jtome@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE