O Destak esteve lá

Pavilhão Atlântico em chamas com Rammstein

18 | 04 | 2013   15.47H

Explosões sincronizadas com o som das guitarras, e muito fumo num palco e num cenário imponentes. Assim começou uma grande noite de heavy metal com sotaque alemão, na passada terça-feira no Pavilhão Atlântico, em Lisboa.

Filipa Estrela | festrela@destak.pt

De uma plataforma elevatória surgiu no meio do fumo um Till Lindemann coberto por um inesperado blusão de penas cor de rosa. O vocalista juntou-se ao resto da banda, no meio de explosões e pirotecnia, presentes, aliás, em praticamente todas as 18 músicas. Houve fogo nas guitarras, nos braços, nos microfones, no palco e num "espetador" que invadiu o palco. Vinha de cima, de baixo, de todos os lados, sob várias formas. Um inferno a arder. O próprio frontman, vestido de talhante lançava labaredas, enquanto tentava cozinhar o teclista Flake num caldeirão, em Mein Teil.

A banda formada em Berlim, em 1994 foi protagonista de um concerto baseado no álbum de 2011 Made In Germany 1995-2011, que junta a maioria dos êxitos. Como sempre, a mega produção traduziu-se numa performance teatral e musical, que legitima a ausência de cumprimentos e saudações. As poucas interações faziam-se sentir através das letras, que incitavam a cantar, como Du Hast.

Naquele que foi um verdadeiro espetáculo ao vivo, os seus atores/músicos encarnavam personagens. Alternavam uma frieza impávida e serena e uma cumplicidade musical impressionante a momentos como o de simulação de sodomização do teclista (mais uma vez) em Bück Dich, numa plataforma elevada.

Houve espaço para baladas como Ohne Dich ou Mein Herz Brennt e para êxitos como Feuer Frei! ou Benzin. Para o encore deixaram Sonne, Ich will e Pussy. A banda sonora perfeita para a entrada de um canhão gigante a lançar espuma branca, com um Till Lindemann sentado a comandar. Só faltou mesmo, o barco pneumático por cima do público.

Uma grande noite de música, adrenalina, violência e agressividade para todas as idades – dos jovens adolescentes a sexagenários, todos muito civilizados – que não só soube a pouco, como estranhamente transmitiu numa certa paz de espírito.

Alinhamento
Ich tu dir weh
Wollt ihr das Bett in Flammensehen?
Keine Lust
Sehnsucht
Asche zu Asche
Feuer frei!
Wiener Blut
Mein Teil
Mein Herz brennt (versão ao piano)
Benzin
Du riechst so gut
Links 2-3-4
Du hast
Bück dich
Ohne dich

Encore
Sonne
Ich will
Pussy

Saiba mais sobre:
Foto: DR
Pavilhão Atlântico em chamas com Rammstein | © DR

3 comentários

  • 11.04.2016 | 18.18Hcomentário reprovado
  • E, já lá vão . . . ! 39 anos . . . ! Com as "malguinhas" . . . ! A "arder" . . . ! ! !
    alexandre barreira | 21.04.2013 | 07.19Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ah,,, ate me assustei quando li esta noticia. Pensava que estava em chamas a arder com o dinheiro da negociata da china feita pelo genro do Anibal. Mas a verdade e que aquela familia precisa. O anibal so tem uma vivenda fabulosa na mouraria, segundo reza a historia, comprada em condicoes mt especiais, tipo promocao so para presidente, tambem perderam muito dinheiro com a jogada das accoes da sln/bpn do amigo e protegido loureiro. E o sr. nem sabe se a reforma multimilionaria que vai usufruir lhe vai chegar para as despesas quando se reformar.
    anticristo | 20.04.2013 | 16.37Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE