PUBLICIDADE
Conselho de Ministros

Empresas com mulheres na gestão terão acesso a mais fundos

12 | 12 | 2013   18.18H

A representatividade das mulheres nos conselhos de administração das empresas será critério de desempate na atribuição de fundos de coesão da União Europeia, anunciou a secretária de Estado Teresa Morais.

Patrícia Susano Ferreira | pferreira@destak.pt

Esta é uma das medidas previstas nos novos planos para a igualdade, para a prevenção e combate à violência doméstica e de género e ao tráfico de seres humano que vão vigorar de 2014 a 2017 e que foram aprovados em Conselho de Ministros.

No plano que está centrado na promoção da igualdade de género há um grande destaque para a intervenção nos domínios da educação e do mercado de trabalho e no programa da prevenção da violência o enfoque vai para outras formas de violência, como a mutilação genital feminina. No que respeita ao combate do tráfico de seres humanos, o plano do Governo passa pela cooperação entre as entidades públicas e a sociedade civil.

Diferença salarial aumentou

Portugal foi o país da União Europeia onde a diferença salarial entre homens e mulheres mais aumentou entre 2006 e 2011, contrariando a tendência comunitária, segundo um relatório do Eurostat sobre o desenvolvimento sustentável.

Saiba mais sobre:

11 comentários

  • Que inveja!! Tristes homens!...
    Maria | 31.01.2014 | 11.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • As conas vencem sempre.
    pau no ar | 27.01.2014 | 22.32Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • atao o f.c.p. ta safo .
    penso eu de que | 16.12.2013 | 21.56Hver comentário denunciado
  • 16.12.2013 | 21.37Hcomentário reprovado
  • Ó zézinho não me venhas com essa conversa de comparadas com o ser humano, porque assim não vais lá. A mulher foi, é e sempre será, vista como um ser "demoníaco" que consegue fingir de tal forma que até o mais inteligente dos homens escorrega que nem um pato. Agora há uma coisa em que tenho de concordar que algumas mulheres, rara excepção, conseguem singrar na sociedade em que alguns homens ainda pensam que dominam. Mas estão tão enganados, coitadinhos.......!
    ORELHA-DE-OSSO | 15.12.2013 | 07.15H
  • A falta de inteligencia dos burrocratas mantem-se. Quando, em vez de revolucoes, a populacao decidir ir apanhar os burrocratas para os enjaular e passer pelas pracas das cidades, entao sim, os burrocratas comecam a pensar.
    burros do costume | 14.12.2013 | 09.41Hver comentário denunciado
  • 13.12.2013 | 13.09Hcomentário reprovado
  • vai ser uma chico espertice como na politica. metem a mulher no poder só para receberem mais. enfim...
    anónimo | 13.12.2013 | 12.23Hver comentário denunciado
  • Que inteligência! Que visão! Que estratégia elaborada!
    anónimo | 13.12.2013 | 10.24H
  • Discordo em parte. Concordo com todas as políticas de combate à discriminação, à violência doméstica, aos maus-tratos,... mas no que respeita a financiar mais, ou menos, as empresas só pela condição de género, não me parece que se trate de uma discriminação positiva para as mulheres. As mulheres quem nas empresas, como em qualquer outra organização têm tanta, ou mais, capacidades e competências para fazer vingar os projectos e as empresas, pelo que, creio não necessitarem de serem discriminadas para mostrarem que valem tanto como qualquer homem. Um dia teremos de favorecer os homens nisto ou naquilo. Olhem para as mulheres e homens, como SERES HUMANOS.
    José pereira (Zé de Baião) | 13.12.2013 | 10.04H
  • Obviamente que somos todos azuis. Uns mais do que outros.
    Encarnado | 12.12.2013 | 18.54Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE