João Paulo Rodrigues

"A minha carreira mudou quando vesti uma minissaia"

04 | 02 | 2014   17.36H

Não sabe como definir-se, diz com sinceridade. É um humorista que é um cantor que é um apresentador.

Agora é o “coelho na cartola” das Queridas Manhãs da SIC, fazendo dupla com Júlia Pinheiro.

Vera Valadas Ferreira | vferreira@destak.pt

Ele é umaespécie de “Figo da TV portuguesa”: a sua súbita transferência da TVI para a SIC também lhe valeu o título de traidor. Imune à inveja e às más línguas, garante que só quer fazer melhor.

O que o motivou a dar este novo passo profissional?

O que me motiva, em tudo o que faço na vida, são os desafios! A possibilidade de crescer, de aprender e de me tornar melhor fazendo coisas novas que me obriguem a sair da minha zona de conforto. Sinto que ainda não sei nada... Estou aqui para aprender!

Com esta transferência consegue o pleno dos canais portugueses. Que lições guarda de cada experiência?

A RTP foi onde tudo aconteceu. Foi a casa onde o Quim e o Zé nasceram e cresceram. Ali surgiram as primeiras oportunidades de aprender a ser ator. Foram 7 anos de muita alegria e loucura da boa, sempre ao lado do meu irmão Pedro Alves.

Em finais de 2011 surge então o convite da TVI para participar no "A Tua Cara Não Me É Estranha". É aqui que o João Paulo Rodrigues se dá a conhecer. A minha carreira mudou aí, quando tirei a “monocelha”, coloquei um bigode e vesti uma minissaia! E foi na TVI que me aventurei na apresentação. Nunca me imaginei a apresentar um programa. É que, quando estou nervoso ou pouco à vontade, tenho tendência para gaguejar e tropeçar nas palavras.

Surge então o convite da SIC para, ao lado da Júlia Pinheiro, apresentar um programa em daytime. Confesso que fiquei sem palavras, porque o desafio era enorme e de uma responsabilidade imensa!

Começou como humorista, depois revelou-se como cantor e passou a apresentador. Como é que se autodefine?

Sinceramente, não sei. Acho que sou um pouco dos três! Humorista serei sempre, faz parte de quem sou. Cantor... gostava, mas não posso querer fazer tudo (para já). Apresentador, estou a habituar- me à ideia, mas ainda tenho muito caminho a percorrer.

Fará dupla com Júlia Pinheiro. O que podemos esperar da vossa química?

Estive no Querida Júlia aquando da promoção do filme "7 Pecados Rurais" e a empatia foi imediata. A Júlia é uma pessoa muito divertida e muito generosa. Da nossa dupla só se podem esperar coisas boas. Muita alegria e boa disposição logo pela manhã é garantido.

É um dos trunfos da SIC para combater a dupla Cristina/ Goucha, líder das manhãs. Quais serão as suas mais-valias?

Trunfo?! Eu? “Nã”! Eu nem sei jogar às cartas! As minhas mais-valias são várias! Sei fazer um arroz de sarrabulho que é um espetáculo e fui campeão de dança jazz! Agora a sério, vou tentar ser o João que todos conhecem: brincalhão, sempre bem-disposto e “repentista” (que é uma palavra que aprendi há pouco tempo), que significa que ninguém sabe o que daqui pode sair. Só há uma maneira de saber: é ver!

O que sente por concorrer com dois profissionais com os quais já trabalhou? Sinceramente não tinha pensado nisso! São dois profissionais que admiro e que tenho como exemplo a seguir. Ser concorrente do Manuel e da Cristina aumenta a responsabilidade.

Tem apresentado programas em dupla. Já se sente pronto para o desafio a solo ou não faz parte das suas ambições?

Não costumo perder muito tempo a pensar no amanhã. Preocupo-me como agora, e agora tenho uma longa viagem prestes a começar. Vou empenhar-me de corpo e alma e o que tiver de ser será...

Saiba mais sobre:
Foto: Sérgio Lemos
"A minha carreira mudou quando vesti uma minissaia" | © Sérgio Lemos
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE