PUBLICIDADE
violência infantil

Risco é maior em famílias reconstruídas

19 | 01 | 2009   12.50H

Segundo o estudo, que abrangeu uma amostra de 100 crianças e jovens até aos 16 anos, oriundas da região Centro e diagnosticadas no Instituto de Medicina Legal de Coimbra, o agressor “tende a ser do sexo masculino” e a forma de violência mais praticada é de natureza sexual.

“A explicação mais plausível para a maior ocorrência de maus-tratos sobre as crianças em famílias reconstruídas, parece residir num efeito colateral, relacionado com a ausência de laços de vinculação estabelecidos desde o nascimento”, sustentou o antropólogo Paulo Gama Mota, um dos autores da investigação.

No entanto, sublinha, o risco acrescido de maus tratos em famílias reconstruídas, “possivelmente pela ausência de vinculação biológica de um dos adultos”, não impede o desenvolvimento de afectos nessas condições.

“Apenas que o risco é maior de que não se desenvolva”, explicou o investigador.

Os dados hoje divulgados apontam para uma predominância (67 por cento) de maus-tratos dirigidos a raparigas, mais frequentes no grupo etário dos 10 aos 16 anos, 62 por cento do total, seguindo-se o grupo dos 6 aos 9 anos, com 21 por cento.

Os maus tratos mais frequentes, para além do abuso sexual, englobam fracturas, queimaduras, rejeição e abandono.

Os investigadores do Departamento de Antropologia da FCTUC lamentam as condicionantes a que o estudo foi sujeito, nomeadamente a “impossibilidade” de recolha de dados junto das comissões de protecção de menores.

“A natureza confidencial dos processos e, em particular, a burocracia no acesso aos dados, incluindo as limitações de recursos humanos, impediram a obtenção de quaisquer dados junto dessas instituições”, frisou Paulo Gama Mota.

Ouvido pela agência Lusa, o também responsável pelo Museu da Ciência da FCTUC manifestou-se consciente da possibilidade da amostra “estar enviesada relativamente à realidade”, nomeadamente por não incluir dados de crianças em idades precoces nem casos de mortalidade que "se sabe que acontecem”.

Apesar das dificuldades no acesso à informação pretendida, Paulo Gama Mota não se mostra surpreendido pelos resultados do estudo, com excepção destes demonstrarem que a violência familiar ocorre em famílias de todos os níveis sócio-económicos.

“Ocorre em todos os níveis de educação das pessoas, o que é dramático. Imaginava que acontecesse, sim, em situações de vida mais difícil e onde não houvesse educação e formação”, argumentou.

O estudo, denominado “Cinderela: do conto de fadas à realidade. Perspectiva sobre os maus-tratos infantis”, incidiu sobre quatro domínios para contextualizar e caracterizar os maus tratos, incluindo o grupo doméstico da criança e seu perfil.

Os restantes domínios analisados versaram sobre a gravidade do mau trato praticado e o perfil do agressor.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: 123RF
123RF | © 123RF

3 comentários

  • Oh 4ª CLS. SALZª., se tu não estivesses já senil, levavas uma ensaboadela cá do mangas! Comunas e fascistas iam todos para a Sibéria, ou para a Faixa de Gaza! Falar em decência do Estado Novo é ofensivo. Acho piada a esta corja que vem para aqui exercer um direito que não tinham, para dizer mal de quem lhes dá esse direito! Isto é cão que morde na mão que lhe dá de comer! O senhor vem para aqui mandar essas bocas infectas porque alguém deu o corpo ao manifesto para que tenha a LIBERDADE de o fazer! Senão não estavas como em Cuba mas estavas como.... ops, não há nenhum exemplo no mundo de um Estado fascizóide...Porque será?????? Como é que esta corja fala do Chavez e defende o Salazar, a não ser que esteja senil?? Hello, a trampa é a mesma!!!!! Parece os cristãos a dizerem mal dos muçulmanos! MAS VOCÊS SÃO TODOS DOIDOS?????
    JFK | 19.01.2009 | 16.57Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Vivi quarenta e dois anos antes do vinte e cinco de Abril ...e vivo neste faz trinta e e três anos...Mas não há nada que se possa equiparar à decência do Estado Novo, pese embora aos Comunistas tal facto verdadeiro. Eu, por acaso também não os suporto, pois, se pudessem, (lembrem-se do Verão quente de 1975) seriam cruéis ditadores, tal como acontece na Coreia do Norte; Cuba e China. Já nem falo nos candidatos a ditadores como um tal de Chaves e outros que tais.
    4ª Cls. Salzª. | 19.01.2009 | 15.16Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • A iniquidade dos homens no núcleo familiar, onde as leis apenas espreitam e não dominam, em que a Lei do que deveria ser apenas vem transtornar a vítima, pela referência à sua ausência. A educação, o humanismo é irrigado apenas onde ele o houve, e as várias classes sociais são diferenciadas não pelo seu humanismo, mas sim, e normalmente, pela sua acumulação de riqueza e economia...coisa que não surpreende, como não surpreende na nossa conjuntura que a evasão fiscal i-lícita beneficia o criminoso.
    anónimo | 19.01.2009 | 13.31Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE