PUBLICIDADE
Património

Relógio do Cais do Sodré volta a dar hora legal aos lisboetas

22 | 01 | 2009   08.10H

O relógio do Cais do Sodré, que durante 87 anos marcou a hora legal portuguesa, vai voltar a funcionar.

Em 2001 foi retirado para reparação, mas nunca regressou, mantendo-se apenas como objecto de decoração. No espaço deixado em branco podiam ler-se as palavras «em manutenção» mas as esperanças de que o centenário relógio de pala curva voltasse à vida eram poucas. A Administração do Porto de Lisboa (APL) chegou mesmo a dizer, em 2006, que a reparação era demasiado cara.

No entanto, a espera parece ter chegado ao fim. Ao Destak, a APL explicou que já concluiu o processo que permitiu a instalação e sincronização do relógio pela hora legal portuguesa, através dos servidores existentes no Observatório Astronómico de Lisboa (OAL).

Para que isso fosse possível foi disponibilizado um software específico que foi instalado num computador, cujo relógio interno é acertado pelos servidores NTP (Network Time Protocol) do OAL. Foram realizados testes de falha de energia e confirmado que quando esta é reposta o relógio acerta automaticamente.

Essencial à navegação

O relógio, o primeiro de hora legal em Portugal, chegou ao Cais do Sodré em 1914. Esta localização não foi escolhida em vão: dali era possível informar as embarcações que deixavam o estuário do Tejo da hora precisa, que era depois utilizada para que fossem acertados os cronómetros marítimos, instrumentos essenciais para a navegação.

O mecanismo estava encarregado de marcar a hora exacta e servir de referência aos pilotos, que por aí confirmavam o estado dos seus cronómetros.

O relógio tinha um papel essencial já que os cronómetros marítimos, fundamentais para a medida da longitude no mar, não podem ser acertados como os relógios vulgares.

O objectivo é conseguir determinar o desfasamento em relação à hora, subtraindo-se ou adicionando-se depois os minutos e segundos necessários.

Inês Santinhos Gonçalves | igoncalves@destak.pt

1 comentário

  • Grande obra ! Não houve gaiteiros e sardinha assada?
    Sete | 23.01.2009 | 15.13H
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE