PUBLICIDADE
CPLP

Razões para aceitação da Guiné Equatorial não são claras - investigadora

23 | 07 | 2014   08.57H

A investigadora Ana Lúcia Sá disse hoje que não ficaram claras as razões para a adesão da Guiné Equatorial à CPLP, considerando que a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa está a transformar-se num clube de negócios.

"Não sei se foi cedo [a adesão], poderiam sim, ser mais claros quanto aos motivos que levaram à adesão à CPLP, em vez de falarem da língua, da pena de morte e dos direitos humanos, dizerem o que interessa para esta adesão e dizer em que é que a CPLP está a transformar-se, num clube de negócios", afirmou à agência Lusa a investigadora portuguesa.

Para Ana Lúcia Sá é fundamental que a CPLP mude "alguma coisa" de futuro, já que considera que a aceitação da Guiné Equatorial à comunidade deixou de ter a língua portuguesa como "elemento de união entre os países".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Saiba mais sobre:
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE