PUBLICIDADE
Justiça

Juízes querem rapidez na aprovação de novo estatuto que prevê subsídio de exclusividade

05 | 01 | 2015   12.21H

O presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses (ASJP) pediu hoje urgência na discussão pública e aprovação da proposta sobre o novo Estatuto dos Magistrados Judiciais, que prevê a atribuição de um subsídio de exclusividade.

Mouraz Lopes falava à agência Lusa a propósito da proposta que um grupo de trabalho, que integra a ASJP, apresentou em Dezembro ao Ministério da Justiça e que prevê a criação de um "único" subsídio - o de exclusividade - que irá substituir o atual subsídio de compensação de renda de casa (de 680 euros) auferido pelos juízes.

Tendo em consideração que os magistrados judiciais continuam a sofrer os cortes salariais aplicados à Função Pública e que o subsídio de renda de casa deixa de existir, de acordo com a proposta, o presidente da ASJP sublinha que o subsídio de exclusividade só fará sentido se o valor daí resultante para cada magistrado judicial for superior à atual ajuda para renda de casa.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Saiba mais sobre:

1 comentário

  • «Juízes querem rapidez na aprovação de novo estatuto que prevê subsídio de exclusividade»----------------------------------- -------------------------------------------------- -- O português não gosta de trabalhar. Se há uma tecnologia que trabalhe por ele, ela que avance. Ele tem coisas mais interessantes para fazer como poeta, do que a trabalhar. (...) O português trabalhou e trabalhou e trabalha sempre que for preciso. O que têm feito os emigrantes pelo mundo? Aonde eles vão e é preciso trabalhar, eles trabalham. (...) O português, dentro de determinadas condições, se a vida lhe fosse inteiramente favorável, ele gostaria muito mais de contemplar e poetar do que trabalhar. Mas quando é levado a uma função em tem que trabalhar, ele trabalha. Agostinho da Silva, in 'Entrevista' ___________
    RIC | 05.01.2015 | 16.30Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE