Educação Especial

Mais 12 centros de recursos TIC a funcionar

14 | 02 | 2009   16.41H

Segundo dados do Ministério da Educação, o investimento nestes novos centros, que se juntam aos 13 que já funcionavam no ano lectivo passado, rondou os 700 mil euros, mas durante 2009 a rede vai ser apetrechada com mais equipamentos, orçados em 1,3 milhões de euros.

"Hoje é impensável um sistema de ensino sem tecnologias da informação, computadores ou quadros interactivos e por isso é necessário um esforço idêntico nesta matéria, com equipamentos adaptados, para as crianças com necessidades educativas especiais", afirmou à Agência Lusa o secretário de Estado da Educação, Valter Lemos, que na próxima semana visita cinco destes centros, um por cada direcção regional de educação.

Os centros de recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação (TIC) da Educação Especial contam com computadores, programas e outros equipamentos adaptados às limitações dos alunos, sejam motoras e físicas ou cognitivas. Por exemplo, com sistemas que permitem a uma criança interagir com uma aplicação informática através do simples movimento dos olhos, respondendo o computador a esse estímulo.

"Neste momento não estamos a pensar aumentar o número de centros TIC. O importante agora é consolidar. Consideramos que estes 25 centros são suficientes para as respostas necessárias, mas o passar do tempo ditará se há necessidade de criar novos centros", acrescentou Valter Lemos.

No âmbito da reforma da Educação Especial, o Ministério da Educação criou por todo o país, além destes centros, salas especializadas no apoio a alunos cegos, surdos, multideficientes e autistas e aumentou o número de técnicos, terapeutas e professores a trabalhar neste sector.

O objectivo da tutela é ter até 2013 todos os alunos com necessidades educativas especiais no sistema de ensino regular, ao mesmo tempo que as escolas de ensino especial são transformadas em centros de recursos humanos e materiais.

"Estamos a fazer transformações que têm implicações muito significativas para todos os actores. Não é uma questão meramente material, de colocar recursos, mas sim de mentalidades e condições de trabalho. É preciso agir no campo das atitudes e isso não muda repentinamente. Os actores precisam de sentir confiança e quando os resultados forem obtidos será possível andar mais depressa", afirmou Valter Lemos.

No entanto, o secretário de Estado garante que a reforma da Educação Especial "está dentro das expectativas" e que, em algumas matérias, "está a andar mais depressa do que o inicialmente previsto".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: 123RF
123RF | © 123RF
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE