Estudo

Investigação portuguesa está "excessivamente" dependente do Estado

25 | 01 | 2015   07.13H

Um estudo assinado pelos cientistas Carlos Fiolhais e Armando Vieira conclui que o sistema de Investigação e Desenvolvimento (I&D) português "parece estar excessivamente dependente do Estado".

Destak/Lusa | destak@destak.pt

Os dois cientistas, num estudo da Fundação Francisco Manuel dos Santos, questionam a sustentabilidade do sistema de I&D português, considerando que "os jovens doutorados, formados em número significativo, constituem uma mão-de-obra especializada que não encontra acolhimento no tecido empresarial português, vendo-se em muitos dos casos forçados a emigrar".

De acordo com as conclusões do estudo, intitulado "Ciência e Tecnologia em Portugal - Métricas e impacto (1995-2011)", "as empresas, em parte por falta de conveniente perceção dos respetivos responsáveis, não têm conseguido aproveitar e canalizar para benefício de mais gente as mais-valias" da formação de profissionais qualificados.

Saiba mais sobre:
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE