Teste

Renegade, um Jeep 'renegado' só na teoria

25 | 03 | 2015   17.31H

O primeiro Jeep feito fora dos EUA, em Itália, em parceria com a Fiat, tem nome de ‘renegado’ mas mantém-se fiel à marca. Conduzimos o pequeno SUV Renegade.

João Tomé | jtome@destak.pt

O primeiro produto feito em conjunto pela Jeep e pela Fiat – pelo novo grupo Fiat Chrysler – é este Jeep Renegade, que partilha a plataforma com o novo Fiat 500X.

Apesar de ser um SUV compacto, com dimensões semelhantes ao Peugeot 2008 e um pouco mais curto do que o Dacia Duster, mantém o ar rebelde e TT típico da Jeep.

Apesar da influência europeia, a marca fundada em 1941 com os jipes Willys, para a II Guerra Mundial, idealizou o Renegade nos Estados Unidos. E embora tenha sido produzido em Itália e tenha nome de renegado, o pequeno SUV não renega a tradição Jeep.

O design ‘quadrado’ permite aproveitar bem o espaço interior – é surpreendentemente espaçoso. E a influência europeia ter-lhe-á dado equilíbrio e estabilidade nas curvas.

Apesar de ser bem alto, o Renegade mostrou estar à altura da dinâmica exigida na Europa e até chega a ser divertido de conduzir. A insonorização também é mais europeia (é bem silencioso no interior).

Em Portugal a tradição Jeep é um pouco ‘renegada’. Isto porque só existe a versão 4x2, com tração dianteira. A versão 4x4 só mesmo por encomenda especial, já que com o motor 2.0 ‘atira’ o preço para os 35 mil euros.

O motor que conduzimos foi o 1.6 diesel Multijet de 120 cv. É rápido o suficiente, cumprindo os 100 km/h em 10,2 seg e promete consumos de 5,6l/100km (nós fizémos médias de 7.

Rival de modelos como o Nissan Juke ou do Mini Countryman, os preços começam nos €25.950 no diesel e nos €21.950 na versão a gasolina (1.4 de 140). Uma boa surpresa.

Saiba mais sobre:
Foto: João Tomé
Renegade, um Jeep 'renegado' só na teoria | © João Tomé
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE