40 anos/Angola

Turismo é aposta, mas ainda faltam camas, procura interna e profissionais

20 | 10 | 2015   08.03H

Aos 23 anos Manuel Domingos é o guia turístico mais velho das quedas de Calandula, em Malanje, uma das sete maravilhas de Angola, mas nunca se formou para a função. Aprendeu a brincar o que explicar aos turistas e já faz equipa com outros três jovens da terra.

"Amo o meu trabalho. É a profissão que eu escolhi, acho que Deus me designou para fazer este trabalho". O relato é feito após uma descida vertiginosa, a pé, por um estreito caminho que leva mais de 20 minutos a percorrer até às águas do rio Lucala, o mais importante afluente do "grande" Kwanza.

Para trás fica uma descida de 105 metros, ou seja a altura das quedas de Calandula, as segundas maiores de África, estendendo-se por mais de 400 metros, como logo explica o guia Manuel Domingos, com uma paisagem arrebatadora de fundo.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Saiba mais sobre:
Foto: PAULO CUNHA - Lusa
Turismo é aposta, mas ainda faltam camas, procura interna e profissionais | © 	PAULO CUNHA - Lusa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE