MÚSICA

UHF lançam primeiro DVD

20 | 03 | 2009   17.56H

Já faltava este DVD no noso panorama musical.

É verdade, mas como numa série de outras coisas, há um tempo certo para as fazer. Esperámos algum tempo para o gravar e para o pôr cá fora. Mas valeu a pena, porque honestamente estou muito orgulhoso deste trabalho.

O resultado é o esperado?

Queria que o disco fosse a transcrição fiel do que se passou no Coliseu. Por isso se chama Absolutamente ao Vivo, porque não tem cosmética de estúdio por isso não tem 4 canções que iam obrigar a trabalho de estúdio e então preferi que saíssem.

Porquê o Coliseu?

O Coliseu dos Recreios é uma sala mágica e tem o peso de muita história.

O que inclui ainda o DVD?

Inclui ainda uma galeria de fotografias, que é o outro lado. Seleccionámos imagens de dois fotógrafos que tínhamos a fazer reportagem do momento. Imagens que ficam dos músicos, da actuação, dos momentos e que às vezes desconhecemos. Foi a 1.ª vez que me vi ao vivo e achei muita piada, porque havia muita coisa que não conhecia.

Gostou do que viu pela 1.ª vez?

Achei muita coisa curiosa. Aquela dança cega que existe entre nós em palco. Há um jogo entre nós que se coordena automaticamente. Não tinha noção de como as coisas aconteciam.

Este trabalho traz ainda o novo tema O Tempo é Meu Amigo.

É uma oferta e um tributo que damos aos nossos fãs. Um trabalho que estamos a fazer em pré-produção de um novo disco de originais.

Já estão a pensar num novo disco de originais?

Estamos a trabalhar há algum tempo e temos vontade de fazer mas não sei se sairá ainda este ano. Depende de vários factores, porque estamos envolvidos noutros projectos.

E este tema já pertence a esse futuro álbum?

Este tema é uma prendinha aos nossos fãs. Acho que 30 anos de carreira celebram-se pelo que fizemos, pela qualidade musical, mas também pela conquista dos fãs. Há pessoas que nos apoiam, que vestem a nossa camisola.

Como é vossa relação com os fãs?

No Myspace dos UHF há coisas impressionantes. Fico espantado, por algumas pessoas acharem espantoso falarmos com as pessoas normalmente. É natural que ao fim destes anos todos, haja muita gente que fala comigo regularmente e que emita opiniões, que são escutadas. Esta é a saúde normal de um grupo de fãs com um grupo que tem 30 anos de carreira.

Lembra-se de algum momento positivo ou marcante da carreira?

Há milhares de momentos, mas por exemplo não sabe o que é chegar a uma terra que às vezes nem vem no mapa e aparece um casal que diz que é por minha causa que estão casados. Que começaram a namorar num concerto dos UHF ou por causa de uma canção. Isto já aconteceu várias vezes. Já reparei que o Toca-me é uma canção que toca muito na sensibilidade emocional de um casal, com a paixão. Isto é apenas um momento, num caleidoscópio de situações. Ou por exemplo um soldado que teve na missão de paz na Bósnia dizer-me que enquanto lá esteve foi a canção Sarajevo que lhe deu força. Apesar de estarmos lá, não conseguimos actuar por causa de uma tempestade, mas levamos discos na bagagem e pedimos ao contingente para os distribuir. E já encontrei quem me disse que foi isso que os manteve muito tempo com o pensamento de regresso ao País. Este tipo de coisas não se compra!

E já mostram que muita coisa vale a pena.

Vale. Não somos uma moda ou uma mania. Os UHF são um estado de vida, uma forma de sentir a vida, de se posicionar na sociedade portuguesa, são um acto cultural. Nós emitimos opiniões, as nossas canções são opiniões e há muitas pessoas que se sentem ligadas a elas.

Qual é para si a música dos UHF?

Há uma canção que marca isto tudo que é Cavalos de Corrida. Nem vale a pena escamotear a importância de uma canção que lançou um movimento musical. Só muito tempo depois é que percebi que o tema começou o movimento musical de renovação da música portuguesa. é uma canção muito importante, teve quase 500 mil cópias. É um marco histórico na música deste País.

Filipa Estrela | festrela@destak.pt
Foto: DR
DR | © DR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE