Cinema

Refrigerantes e Canções de Amor: ao som do amor

25 | 08 | 2016   17.09H

A partir de um guião bem pessoal de Nuno Markl surge este ‘Refrigerantes e Canções de Amor’, com Ivo Canelas como músico que depois de ser traído tenta redescobrir o amor. Com Jorge Palma e amigos. Estreia hoje.

João Tomé | jtome@destak.pt

Uma «comédia romântica musical» (é assim que o próprio Nuno Markl o define) com uma dinossaura cor de rosa, traições e desgostos amorosos, rivais musicais, agentes artísticos, assassinos com cara de Sérgio Godinho, confidentes imaginários com cara e voz de Jorge Palma e conselheiros amorosos que ensinam a arte da ‘carrinhologia’.

Mais do que um guião esta é uma história repleta de mensagens e pormenores pessoais para Nuno Markl. A história e o guião são dele e tudo começou a ser escrito após a separação da 1ª mulher, há quase uma década num período difícil onde até as idas ao supermercado traziam frustrações.

Luís Galvão Teles (de A Vida É Bela, 1982, e Dot.com, 2007) dirige a comédia que se vai tornar numa mini série de três episódios na RTP. Acompanhamos Lucas (interpretado por Ivo Canelas), um jovem músico que vive um desgosto amoroso quando a namorada (Lúcia Moniz), o troca pelo seu ex-melhor amigo e agora cantor famoso (João Tempera).

Em plena depressão, a esperança de Lucas renasce no supermercado quando conhece uma rapariga invulgar (Victoria Guerra) que é mascote de uma empresa de refrigerantes. Apesar de nunca a ter visto sem o fato de dinossauro cor de rosa, Lucas sente-se nervoso sempre que os seus olhos se cruzam ou as suas mãos se tocam.

É a seguir os conselhos de um Jorge Palma imaginário – que se tornou o seu amigo mais próximo – e do DJ de supermercado perito na técnica de engate ‘carrinhologia’ (André Nunes) que ele vai curar as suas feridas.

A música é de Filipe Raposo e todos cantam, inclusive Sérgio Godinho (uma espécie de mau da fita). Gregório Duvivier, da Porta dos Fundos, também participa.

Saiba mais sobre:
Foto: DR
Refrigerantes e Canções de Amor: ao som do amor | © DR

1 comentário

  • Lá estão sempre os mesmos... a-imoralidade-da-moral.weebly.com
    canalhas é dizer pouco | 26.08.2016 | 12.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE