PUBLICIDADE
canonização

Batalha de Aljubarrota em jogo de tabuleiro

30 | 04 | 2009   15.26H

O “inventor” de jogos de tabuleiro Gil Orey decidiu avançar agora com a este novo jogo, que dará destaque à figura do agora São Nuno Álvares Pereira, procurando “dar a conhecer a sua importância e mostrar aquilo que é ser português”.

“O objectivo é fazer com que as pessoas percebam a importância desta batalha, que foi determinante para que hoje fôssemos portugueses”, disse à Lusa Gil Orey, sublinhando que não pretende incutir nenhum “ódio” aos castelhanos e, por esse motivo, nenhuma peça do jogo faz a referência ao país vizinho.

“Quero que este jogo retrate apenas o espírito português”, acrescentou.

O autor explicou que a ideia surgiu o ano passado, quando visitou a Fundação Batalha de Aljubarrota, decidindo também ele criar uma forma “lúdica” de mostrar aquilo que foi o conflito militar, ao mesmo tempo que “adultos e crianças pudessem brincar”.

Gil Orey admitiu que o interesse em fazer este jogo não está relacionado com a recente canonização de D. Nuno Alvares Pereira, reconhecendo no entanto que se trata de uma “feliz coincidência” e que serve “obviamente” para realçar a importância militar do Santo Condestável nesta batalha.

“As pessoas agora ouvem falar na Batalha de Aljubarrota e associam de imediato a D. Nuno Alvares Pereira, o que as leva a ficar mais atentas e interessadas”, salientou.

Depois de “muitas horas a queimar pestanas” - recordou o autor - a elaboração deste jogo implicou ainda a colaboração de outros intervenientes para testar o seu resultado e que ajudaram a “afinar as regras”, para que o “Aljubarrota” se tornasse um jogo “consistente e divertido”.

Este não é o primeiro jogo deste inventor que, através da sua empresa “Gil Orey Design”, já criou outros jogos de mesa relacionados, por exemplo, com o forte dos Oitavos, em Cascais, com o concelho de Loures e com o Marquês de Pombal, encomendado pela Câmara Municipal de Oeiras, todos eles seguidores de uma vertente histórica.

Questionado sobre a opção de um jogo de mesa tradicional em vez de um jogo de computador, Gil Orey explicou que teve o cuidado de preservar a componente interactiva, realçando que este jogo pretende combater o “isolamento” dos jogos de computador e incentivar o convívio entre as pessoas.

“Creio que todos reconhecem que existe essa vantagem de um jogo de tabuleiro que é juntar as pessoas à volta de uma mesa e estar a conviver”, acrescentou.

O “Aljubarrota” dá então a oportunidade de reviver os principais acontecimentos que marcaram este momento decisivo para a independência de Portugal, destinado a todas as famílias e que vai estar disponível ao público já no final deste ano, explicou, o autor, sugerindo o jogo como uma “boa oferta para o próximo Natal”.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: Paulo Cunha/Lusa
Paulo Cunha/Lusa | © Paulo Cunha/Lusa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE