Atriz espanhola

«Acredito que o que tiver de acontecer, acontecerá», diz Clara Lago

23 | 11 | 2016   16.14H

A atriz mais rentável nas salas de cinema em Espanha dos últimos 10 anos é convidada especial da terceira temporada da série The Librarians, amanhã em estreia no canal Syfy, às 22h10.

Viajámos até Madrid para uma entrevista exclusiva com a protagonista dos sucessos de bilheteiras Ocho Apellidos Vascos e Ocho Apellidos Catalanes. Deu os primeiros passos na representação com apenas 10 anos e hoje, aos 26 anos, aposta na internacionalização, ainda que sem estar obcecada com tal, garante ao Destak. No episódio 8 de The Librarians, é vê-la feita vampira. Mas na vida real, comprovámos, não usa capa nem morde.

Vera Valadas Ferreira | vferreira@destak.pt

Como surgiu a oportunidade de participar na terceira temporada da série The Librarians?

Partiu de um convite do canal Syfy Espanha/Portugal, que propôs o meu nome para fazer um episódio. Perguntaram-me se acharia interessante. No final todas as partes chegaram a acordo e ficou decidida a minha participação, ainda que tenha tido de fazer um casting. Muitas vezes é difícil que estas coisas se concretizem, correm o risco de ficar pelo caminho, mas neste caso os planetas alinharam-se.

Já conhecia a série?

Não conhecia. Antes de aceitar fiz uma pesquisa na Internet para saber do que constava e gostei logo muito do conceito.

Como foi a experiência de ser dirigida por Noah Wyle, protagonista desta série mas que todos conhecemos no papel de Dr. John Carter em Serviço de Urgência?

Maravilhosa. Ele é genial. É amor de pessoa e muito bom realizador. Deixou-me muito à vontade. Como também é ator, como que cuida dos atores, preocupa-se com o seu bem-estar, com as dinâmicas dos atores.

Na série fará de vampira. Esse universo do fantástico era já algo que lhe interessava?

Sim, bastante. Como figura fantástica sempre me senti fascinada por vampiros. Sempre gostei. Sou fã de Twilight, True Blood e Entrevista com o Vampiro. No meu imaginário já estava formada a ideia de como são os vampiros. E depois foi só dar-lhe o meu cunho especial.

Em termos de produção sentiu grandes diferenças por se tratar de uma série internacional?

Foi diferente porque têm mais meios, mais dinheiro. Mas, na verdade, uma rodagem é sempre uma rodagem, a mecânica é sempre a mesma. Cada episódio leva uma semana a gravar. Eu gravei a minha participação em quatro dias.

Esta não é a sua primeira experiência internacional. Já fez The Extintion, com Matthew Fox...

E em breve vai estrear The Commuter. É um thriller de ação protagonizado por Liam Neeson que conta a história de um ex-polícia que trabalha numa companhia de seguros e que todos os dias vai para o trabalho de comboio. Quando é despedido é contratado para investigar qual dos passageiros leva consigo informações secretas. Eu sou um dos suspeitos. Tenho um papel modesto mas sempre presente uma vez que o filme decorre quase em tempo real como se uma viagem de comboio se tratasse.

Está apostada em trabalhar mais fora de Espanha?

Nem é que esteja a tentar desesperadamente. Tenho apostado nessa direção. Tenho managers lá fora que me vão enviando projetos e aos quais respondo com castings. Mas não tenho a obsessão que tem de acontecer já. Acredito que o que tiver de acontecer, acontecerá. Não quero viver com essa pressão porque senão pode resultar em frustração. Também sou muito feliz aqui em Espanha. Por muitos trabalhos que surjam nunca deixarei de trabalhar e viver em Espanha.

Saiba mais sobre:
Foto: DR
«Acredito que o que tiver de acontecer, acontecerá», diz Clara Lago | © DR
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE