Educação

Programar não tem idade

11 | 12 | 2016   15.01H

A programação já chegou às escolas. É que nunca é cedo demais para preparar as crianças para um futuro cada vez mais tecnológico. E em constante mudança.

Carla Marina Mendes | cmendes@destak.pt

Consumidores de tecnologia já eles são. E muito. Não há, de resto, criança que não saiba trabalhar com um smartphone ou que não deslize à vontade o dedo pelo ecrã de um qualquer tablet. Torná-los mais do que isso é o que se pretende com o projeto da Direção Geral de Educação (DGE), que introduziu as Ciências da Computação e a Programação de Computadores nas escolas portuguesas do Ensino Básico. É que, confirma ao Destak Carla Jesus, especialista na área da programação e educação, «uma criança que sabe programar deixa de ser mera consumidora de conteúdos digitais para passar a ser produtora dos mesmos».

E isto é tanto mais importante quanto é a certeza, expressa pelo vice-presidente da Comissão Europeia responsável pelo Mercado Único Digital, que «a falta de competências digitais já é um entrave a inovação e ao crescimento na Europa». Por isso, «proporcionar a aprendizagem destes conceitos e linguagens é uma questão de preparar os alunos para um mundo cada vez mais tecnológico, em constante mudança e com novos desafios», confirma Rui Lima, também ele especialista na área, que não tem dúvidas: «mais do que formar programadores o objetivo é dotá-los de competências que lhes poderão vir a ser úteis no futuro».

«Colaboração, o pensamento crítico, a resolução de problemas, o domínio das tecnologias» são algunas delas, reforça Carla Jesus «E uma criança que as possui estará, à partida, melhor preparada para responder aos desafios de um mercado de trabalho cada vez mais variado e mutável». Até porque, «se é verdade que atualmente existe um grande número de desempregados, também é verdade que há inúmeras vagas para as quais não existem candidatos com qualificações e é precisamente esta última que se pretende combater dotando as crianças com capacidades que vão além do domínio dos conteúdos lecionados».

Uma ajuda em forma de livro

Foi há cerca de um ano que a DGE lançou este desafio, aceite por dezenas de escolas de todo o País – este ano letivo são cerca de 56.000 crianças nele envolvidas. Mas porque para ensinar é preciso saber e, para isso, é necessário formar, não só professores, mas pais e educadores, a editora FCA lançou o primeiro livro baseado nas linhas orientadoras deste projeto. 

Scratch e Kodu – Iniciação à Programação no Ensino Básico «é dirigido a todos aqueles que querem iniciar-se na programação», explica Rui Lima. Sendo o público-alvo os professores e pais, «que poderão desafiar as crianças e jovens a introduzir-se no mundo da programação», permite também «que os alunos, de uma forma independente, explorem as atividades práticas».

Foto: 123RF
Programar não tem idade | © 123RF

6 comentários

  • Mais uma prova que a trapaceira catolicista da inês não passa disso mesmo. É igual aos políticos que prometem em campanha coisas boas e bonitinhas para depois andarem a roubar os velhotes, os trabalhadores, os reformados e os contribuintes em geral. A gaja salmeia a torto e a direito como quem bebe um copo de água da torneira. Por isso a gaja aconselha tanto a água da torneira. Mas a gaja, não prescinde das tecnologias porque isto de mandar salmos por sinais de fumo já passou de moda e a lenha tá cara...Phod@-se!
    PAZCOMSATANAS(ORG)IA | 13.12.2016 | 00.06Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Diz a Inês que: "As tecnologias é muito mau, porque o sedentarismo é a causa de doenças crónicas." E digo eu: Ó Inês, lá está: sedentarismo! Prontos! É por isso que a Inês bebe copos de água da torneira pela manhã porque está sedentária? Quanto ás tecnologias... é muito mau? Pois, é mau quando a Inês usa as tecnologias para comentar notícias 'k@g@ndo' s@lmos a torto e a direito, de qualquer maneira. Até admira como nesta notícia a Inês não 'K@g@ou' um s@lmo. Ahhhhhhh já sei porquê! É porque no tempo em que os salmos foram escritos ainda não havia as tecnologias. Por isso a Inês absteve-se. Daaaa
    Anónimo | 11.12.2016 | 22.35Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Andar aqui a bolsar salmos é que é baril pá! Isso não faz mal à saúde, apenas ao hemorroidal... Cura-te, vai a um psicólogo, a um psiquiatra ou a um neurologista porque o teu problema é DESEQUILÍBRIO MENTAL, associado a desorganização neurológica...
    PAZCOMSATANAS(ORG)IA | 11.12.2016 | 21.53Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Os salmos sim. Esses é que são bons para a saúde....vai-te catar.....ó Inês.....!!!!!
    XINÊS | 11.12.2016 | 21.42Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • as crianças têm que brincar e não presas às tecnologias. hoje em dia as famílias não comunicam , cada qual vai para o seu canto , o que as torna egoístas.É muito mau para a saúde, e há falta de convivência, as pessoas ficam isoladas do mundo. Este quadro não é bom para a saúde.
    Inês | 11.12.2016 | 15.33Hver comentário denunciado
  • As tecnologias é muito mau, porque o sedentarismo é a causa de doenças crónicas.
    Inês | 11.12.2016 | 15.28Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE