Pordata

Metro de Lisboa com número de trabalhadores mais baixo desde 1975

23 | 02 | 2017   12.53H

O Metro de Lisboa empregava 1.381 trabalhadores em 2015, o valor mais baixo desde 1975, apesar de a linha ter mais do que triplicado em extensão e de os passageiros terem aumentado 65% desde então.

Os números são da base de dados estatísticos online Pordata, da Fundação Manuel dos Santos, que hoje, no seu sétimo aniversário, lançou um novo conjunto de informação sobre Portugal, dedicado aos transportes.

Uma das conclusões da Pordata é que o número de passageiros do metro de Lisboa foi em 2015 (142.704) "quatro vezes superior" ao que era em 1967, quando transportava 33.597 passageiros.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

5 comentários

  • Gasta-se muito dinheiro com políticos e naquilo que é essencial como educação , saúde e restante serviço público para o qual tem sido restringido as verbas vamos ficando muito prejudicados.
    O serviço público serve o país | 18.09.2017 | 03.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Infelizmente nota-se todos os dias a falta deles.
    Dora Lisboa | 12.07.2017 | 12.49Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • É preocupante o número que se verifica de trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, estar a baixar (redução de custos, basta ter a instrução primária, para saber deste factos). Então, nos dias normais em que outros trabalhadores mais precisam deste meio de transporte, para se deslocarem para os locais de emprego não é problema, vão a pé, é preciso é pagarem os passes com antecedência. Agora, o mais preocupante é não haver número suficiente de trabalhadores do Metropolitano de Lisboa, para estarem de serviço na passagem de ano e os foliões terem meio de transporte para se deslocarem. Infelizmente uma carta que enviei a este pasquim, a chamar a devida atenção deste facto e que não publicaram com medo de represálias, porque voltámos à censura não do lápis azul do tempo do Estado Novo, mas ao lápis vermelho do tempo da chamada DEMOCRACIA, inicio deste ano, a chamar a devida atenção, em que a Linha Azul está todos dias com perturbações e atrasos e só porque era passagem de ano já havia transporte do Metropolitano na Linha Azul. Chamei a atenção para o DESTAK, com o devido respeito, para o facto de não terem publicado na devida altura a minha carta, não que eu queira protagonismo, e a partir do momento em que manifestei a minha indignação, fui simplesmente BANIDO do espaço, não mais, publicaram mais cartas em meu nome. E assim vai a nossa imprensa escrita, cheia de CENSURA. Se não és por mim, és contra mim...já dizia António de Oliveira SALAZAR. A CENSURA ESTÁ DE VOLTA.
    MÁRIO DA SILVA JESUS | 02.03.2017 | 20.21Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Se agora se transportam mais passageiros mas com menos empregados,só podemos concluír:haviam muitos empregados a ganhar e sem trbalhar.
    TOPAS MEU? | 23.02.2017 | 14.39Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Passou-se de um extremo para o outro. Vieram do tempo em que muitos faziam pouco para o dos poucos que têm que fazer muito a baixo preço sendo contraditório aos altos preços das viagens. Trata-se do cancro político que preza agendas privadas ou públicas desprezando o serviço aos utentes.
    O tacho é igual nos dois lados | 23.02.2017 | 13.10Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE