Consumo

Para bebés, o que é bom fala mais alto

05 | 06 | 2017   23.10H
Portugueses valorizam mais a qualidade do que o preço quando compram roupa, calçado e biberons
João Moniz | jmoniz@destak.pt

Costuma-se dizer que são o melhor do mundo, daí que não surpreenda que também tenham direito ao melhor que o mundo tem para oferecer.

Um inquérito do Instituto Português de Administração e Marketing (IPAM) conclui que a maioria dos portugueses valoriza a qualidade (73,81%) na compra de um produto para bebé (entre os 0 meses e os três anos), em detrimento do preço (11,90%), da durabilidade (7,14%) e do design (4,29%).

Os dados, a que o Destak teve acesso, indicam que a qualidade «constitui um factor decisivo», mesmo em contextos socioeconómicos menos favoráveis, relacionados com a diminuição do orçamento familiar.

O consumidor tende a adaptar o seu comportamento a situações de crise, mas neste contexto não baixa os padrões.

Entre roupa, calçado e biberons para bebés, os portugueses compram com maior frequência vestuário (40,13%), seguindo-se o calçado (24,56%) e, por último, os biberons (14,04%).

No que diz respeito ao valor da despesa, a maioria da população nacional gasta o máximo de 10 a 30 euros mensais no consumo destes três tipos de artigos.

Apenas cerca de 15% dos consumidores despende um valor mensal superior a 60 euros.

Foto: d
Para bebés, o que é bom fala mais alto | © d

1 comentário

  • "tenham direito ao melhor que o mundo tem para oferecer"? Mas não estamos a falar do que o mundo tem para oferecer! O mundo (mundano) pouca coisa dá a alguém. Estamos a falar é do que há no mundo para se comprar para os bebés*. Isto de bebés* deve ser da norma do Novo (Des)Acordo Ortográfico, não?
    Anónimo | 10.06.2017 | 21.19Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE