Almada

Metro Sul do Tejo até Caparica ainda sem data

28 | 05 | 2009   12.42H

“O MST não chegará à Costa, nunca, antes de 2015 e nem vale a pena virem com essa bandeira por ser época de eleições”, afirmou à Lusa o presidente da Junta de Freguesia da Costa da Caparica, António Neves.

“Será preciso que haja uma vontade política muito grande para que o MST chegue aqui. Tudo o que nos chega é muito sofrido. Mas como costumo dizer: remamos, remamos, e havemos de lá chegar”, sustentou.

Para o autarca, “foi um erro enorme que a Costa não tenha integrado as primeiras fases do MST: a freguesia está mal servida de transportes e isso é agravado pelos fortes fluxos populacionais diários. Era mais do que justificado e seria, decerto, rentável”.

Por seu lado, o vereador do Urbanismo na câmara de Almada José Gonçalves disse à Lusa que “levar o metro à Costa de Caparica foi, durante muito tempo, uma sugestão, depois uma revindicação e é hoje um objectivo para o qual o município está a trabalhar”.

“A Costa de Caparica é uma proposta com todo o sentido que por ter já sido planeada, poderá ser levada a cabo sem custos elevados”, acrescentou o vereador.

Na inauguração do último troço do MST, o ministro das Obras Públicas, Mário Lino, afirmou que existe vontade do Estado para esse prolongamento.

Já para Paulo Pedroso, candidato do PS à Câmara de Almada, “a extensão do MST à Costa de Caparica tem que ganhar prioridade. É preciso que haja um meio de transporte público que abranja a linha das praias, da Costa até à Trafaria”.

De acordo com a Costa Polis, “está salvaguardado no plano de pormenor o espaço canal consignado à passagem do MST para que se estabeleça uma ligação entre a Universidade e a Caparica”.

A Metro Transportes do Sul ressalta que, “embora a empresa concessionária só possa fazer uma proposta de expansão da rede se o meio de transporte for rentável, de acordo com os valores estipulados no contrato de concessão - o que não é o caso do MST - a MTS encontra-se disponível para alargar o projecto”.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
Foto: Luis Aniceto
Luis Aniceto | © Luis Aniceto

3 comentários

  • Se a margem sul é assim tão má, não precisam de lá morar. Além disso o Metro é muito útil e tem muita gente nas horas de ponta, contudo talvez pudessem diminuir a quantidade de vezes que o mtero passa de noite e de madrugada e além disso poderiam ter pensado em fazê-lo passar através de viadutos por cima das estradas tal como o comboio da Fertagus.
    Sasha | 28.05.2009 | 14.04Hver comentário denunciado
  • O JFK tem razão, ainda pensei que depois de concluídas as obras até Cacilhas, o Metro começasse a transportar mais gente, mas continuo a vê-los às moscas!! Vejo-os sempre com um máximo de 6, 7 pessoas... já agora, quantos anos ainda faltam para terminar as obras pendentes no Laranjeiro, aqueles marcadores vermelhos e brancos já aborrecem!!
    victoria | 28.05.2009 | 13.33Hver comentário denunciado
  • O dinheiro mais mal gasto de Portugal. Mas como é uma Câmara comuna, ninguém o diz! O caos urbanistico que é a Margem Sul, inviabiliza um projecto como este. A dispersão urbana, o deplorável aproveitamento dos espaços, a anarquia (a que alguns chamam Liberdade), a ausência total de planeamento, a bandalheira, impedem que este projecto tenha a mais pequena razoabilidade! Serve 3% dos habitantes, se tanto...
    Os comunas criaram a sua República Socialista. Feia como só os paises socialistas eram!
    (sim, eu estive em vários, antes da queda do Muro!!!)
    Não se construiu um edificio com valor arquitectónico durante TODO o consulado Comuna! UM edificio durante décadas. Tudo é feio, vulgar, pobre, presunçoso, novo-rico, ignoorante, ordinário, na Margem Sul.
    JFK | 28.05.2009 | 13.25Hver comentário denunciado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE