Violência no desporto

Punições mais duras para prevaricadores

25 | 10 | 2017   23.27H
Presidente da FPF foi ao Parlamento apresentar quatro sugestões de mudança. Liga de Clubes apoia as medidas e quer comprometer as sociedades desportivas.
Destak | destak@destak.pt

Numa audição na Comissão de Cultura, Comunicação, Juventude e Desporto, na Assembleia da República, o presidente da Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou quatro sugestões de mudança, com destaque para a «criação de uma autoridade administrativa exclusivamente vocacionada para a segurança e combate à violência no desporto, dotada de recursos e não apenas de atribuições e competências».

Fernando Gomes defende ainda «maior eficácia na aplicação das medidas de interdição de acesso a recintos desportivos»; «mudanças na política de apoios e regulação dos grupos de adeptos»; e a «avaliação de uma possível retirada de benefícios aos promotores na comparticipação dos encargos com policiamento». Um diagnóstico consensual entre os deputados e não só.

A Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP) saudou as propostas apresentadas, pois «comunga das mesmas preocupações». Daí a total «disponibilidade para participar nas soluções e o empenho em comprometer as sociedades desportivas e os seus máximos responsáveis, de forma proativa, na defesa da integridade das competições».

Entretanto, o Ministério Público acusou 11 efetivos do Corpo de Intervenção da PSP de um crime de ofensa à integridade física grave qualificada por alegadas agressões a um adepto do Boavista em Guimarães, em outubro de 2014. Como resultado das agressões, a vítima sofreu «perda do globo ocular direito, com as inerentes perda total de visão e alterações faciais».

Foto: Tiago Petinga/Lusa
Punições mais duras para prevaricadores | © Tiago Petinga/Lusa
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE