Festival

Mais de 40 filmes com selo ibero-americano

03 | 12 | 2017   23.46H
“Aquí no ha pasado nada”, de Alejandro Fernandez Almendras, abre hoje a Mostra de Cinemas, em Lisboa.
Destak | destak@destak.pt

Os 41 filmes inéditos serão projetados no Cinema São Jorge, entre hoje e 16 de dezembro, sob o tema “No escurinho do cinema” – frase da música Flagra, da artista brasileira Rita Lee, de 1982 –, que expressa um «apelo lúdico à memória coletiva», um dos temas base da mostra, que os curadores – o português Carlos Nogueira e a cubana Teresa Toledo – entenderam acrescentar aos eixos inicialmente previstos.

De salientar que a organizadora do evento, a Casa da América Latina, no âmbito da sua associação à “Passado e Presente - Capital Ibero-americana de Cultura 2017”, alargou este ano o evento da habitual Mostra de Cinema da América Latina – que se realiza há sete anos consecutivos – ao espaço ibérico.

«As migrações, as questões indígenas, a afro-descendência e o pensamento contemporâneo foram os quatro eixos com que a Teresa e eu começámos a definir o que seria a mostra», explciou Carlos Nogueira, citado pela agência Lusa.

A Mostra de Cinemas Ibero-americanos apresentará no emblemático São Jorge um total de 41 filmes (11 dos quais primeiras obras dos respetivos realizadores), dos quais 30 longas-metragens, dez curtas-metragens e uma média--metragem, com a presença de 14 realizadores e de alguns atores.

Mais informações e programação em www.mcal2017.casamericalatina.pt

Foto: © Fernando Castelo
Mais de 40 filmes com selo ibero-americano | © © Fernando Castelo
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE