PUBLICIDADE
Municípios

Portugal tem mais 22 novas vilas e 5 cidades

12 | 06 | 2009   13.58H

No total foram aprovadas no Parlamento 27 alterações na classificação das cidades e vilas portuguesas.

Foram elevadas a cidade as localidades de Valença (Viana do Castelo), Senhora da Hora (Matosinhos), S. Pedro do Sul (sede do concelho), Samora Correia (Benavente) e Borba (Évora).

À categoria de vilas passaram as localidades de Castro Laboreiro (Melgaço) e Soajo (Arcos de Valdevez), ambas no distrito de Viana do Castelo, Arões de S. Romão (Fafe), no distrito de Braga, Lordelo, distrito de Vila Real, e Ancede (Baião), Guifões (Matosinhos), Vilarinho (Santo Tirso), Senhora Aparecida (Lousada) e Madalena (Vila nova de Gaia), todas no distrito do Porto.

No distrito de Aveiro passaram à categoria de vila as povoações de Soza (Vagos) e Valongo do Vouga (Águeda), enquanto o distrito de Coimbra viu subir a vila as localidades de S. Pedro, Marinha das Ondas, Lagos e Tarazede, todas no município da Figueira da Foz.

O Parlamento aprovou também a elevação a vila das povoações de Foz do Arelho e À-dos-Francos, ambas nas Caldas da Rainha, distrito de Leiria, e Olival (Ourém), distrito de Santarém.

Passaram ainda a vila as localidades de Prior Velho (Loures), Casal de Cambra (Sintra) e Montelavar (Sintra), no distrito de Lisboa, e Bensafrim (Lagos), distrito de Faro.

De acordo com a legislação, salvo "importantes razões de natureza histórica, cultural e arquitectónica", uma localidade pode ser elevada à categoria de cidade de tiver mais de oito mil eleitores e pelo menos metade dos seguintes equipamentos: instalações hospitalares, farmácias, corporação de bombeiros, casa de espectáculos e centro cultural, museus e biblioteca, instalações de hotelaria, estabelecimento de ensino preparatório e secundário, estabelecimento de ensino pré-primário e infantários, transportes públicos e parques ou jardins públicos.

Já para ser elevada a vila uma localidade tem de ter mais de 3.000 eleitores em aglomerado populacional contínuo e pelo menos metade dos seguintes estabelecimentos: posto médico, farmácia, casa do povo, dos pescadores, de espectáculos, centro cultural ou outras colectividades, agência bancária, transportes públicos colectivos, estação dos correios, estabelecimentos comerciais ou de hotelaria e uma escola pública.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

4 comentários

  • O governo socialista de José Sócrates é o governo da mentira e da farsa. Farsa das qualificações académicas à pressão, das Novas Oportunidades, da melhoria das notas de matemática no secundário, da reforma da administração pública, da economia, do desenvolvimento, etc. VIVA O PAÍS DE FÁZ-DE-CONTA!
    kx | 12.06.2009 | 18.38Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Mas não é de admirar. Fizeram isto na educação, e em muitos outros domínios, por que razão não haveriam de fazê-lo com os aglomerados populacionais? A mentira é que está a dar, para esta gente.
    da-seee | 12.06.2009 | 14.54Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Pelo que as nossas cidades maiores serão: metrópoles! Waw. Uma cidade como Berlim, será brevemente elevada a pais. E depois os países a continentes. Waw. Só que a inteligência aos poucos vai degenerando em estupidez. E não dão conta!
    Wam | 12.06.2009 | 14.51Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Somos um país evoluidíssimo! Quer dizer que as coisas vão mesmo bem. Devemos por isso manter-nos na mesma rota. Estamos todos de parabéns. Ahaha
    Ahahah | 12.06.2009 | 14.47Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE