Administração de condomínios

DECO quer acabar com falhas na gestão

11 | 01 | 2018   23.02H
Falta de legislação tem conduzido à expansão de empresas de administração de condomínio sem credibilidade. Por isso, associação lança uma rede de referência.

Desvio de fundos, desinteresse, negligência e pouca transparência. Estas são algumas das reclamações contra empresas de gestão de condomínio que todos os anos chegam à Associação para a Defesa do Consumidor (DECO). E pouco resta aos queixosos do que recorrerem para os tribunais.

Para a DECO, o problema maior é a falta de legislação que regule a administração dos condomínios. Uma lacuna para a qual vem alertando desde 2003 «sem sucesso», lamenta a associação ao Destak. Com este vazio legal, «qualquer pessoa» pode criar uma empresa e operar no ramo, o que «retira credibilidade» a todo o processo.

Acresce o facto de não existirem «critérios rigorosos de acesso à atividade», como um seguro de responsabilidade civil profissional, ou uma entidade reguladora que supervisione as muitas empresas que se dedicam a este lucrativo negócio.

Daí que, «para dar garantias e maior proteção aos consumidores» que pretendam externalizar a gestão do condomínio, foi criada a Rede Condomínio DECO+, «constituída por um conjunto de empresas que, por sua vontade, se submetem a uma rigorosa auditoria» feita pelo Bureau Veritas.

Através desta nova plataforma, os condomínios poderão fazer uma «escolha fundamentada, fiável e assente na garantia de qualidade dos serviços prestados», assim como na «possibilidade de resolução dos conflitos que possam vir a ocorrer entre empresa e condomínio».

Foto: 123RF
DECO quer acabar com falhas na gestão | © 123RF
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE