Proteção de dados

Cibercriminosos vão ter novo filão

16 | 01 | 2018   00.06H
Quase um terço das empresas não estão preparadas para cumprir as novas regras europeias no que toca à proteção de dados. Hackers vão explorar vulnerabilidade.

Em maio deste ano, entra em vigor o Regulamento Geral de Proteção de Dados (RGPD) na União Europeia. No essencial, os direitos dos consumidores vão ser reforçados, nomeadamente no que toca à salvaguarda das suas informações pessoais. Oque traz uma responsabilidade acrescida às empresas no seu dia a dia.

Oproblema é que, segundo um inquérito realizado pelo Crowd Research Partners, 30% das empresas não estão preparadas para cumprir as regras impostas pelo RGPD. O que acarreta um risco de segurança, logo uma oportunidade para os cibercriminosos. É que qualquer falha de segurança terá de ser comunicada aos supervisores pelas empresas visadas, o que poderá resultar em multas.

Ora, conseguindo aceder ilegalmente a dados pessoais, os piratas informáticos poderão chantagear as empresas, ameaçando denunciar aos reguladores a má gestão da informação confidencial – o que também acarretaria danos de imagem.

Como se esperava, 2017 assistiu a um aumento exponencial do software mineiro malicioso, com o qual os hackers conseguem lucros fáceis. A Kaspersky Lab estima que o número de utilizadores afetados irá ultrapassar os dois milhões este ano.

Daí que seja fundamental ter cuidado ao descarregar aplicações gratuitas para operações como edição de texto ou imagem. É que muitos desses programas escondem os tais mineiros.

A empresa de cibersegurança também detetou vulnerabilidades nos serviços de mensagens como o WhatsApp, o Signal ou o Threema, em que os piratas se juntam aos grupos sem que os utilizadores se apercebam.

Foto: 123RF
Cibercriminosos vão ter novo filão | © 123RF
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE