Taça de Portugal

Dragões e leões afinam a pontaria

06 | 02 | 2018   23.34H
Após dois clássicos sem golos, FC Porto e Sporting assumem o objetivo comum de serem mais eficazes. Aboubakar e Doumbia parecem ser as melhores apostas.

Nem os 30 minutos do prolongamento na Taça da Liga chegaram para que FC Porto e Sporting evitassem o nulo nos dois jogos que já fizeram entre si esta temporada. Um desfecho que os dois treinadores não querem que se repita.

Sérgio Conceição lamentou que os seus jogadores não tenham materializado a superioridade sugerida pelas estatísticas nesses dois encontros e pede maior eficácia. «Esperemos continuar com a mesma superioridade, mas que disso resulte um resultado positivo.»

Já Jorge Jesus disse que a sua estratégia passa sempre por fazer golos e que «as ideias da equipa ofensivamente não mudam» devido à ausência de alguém. A solução é «ir à procura das características dos jogadores» que estão disponíveis.

O técnico leonino disse ter esperança na utilização de Gelson Martins (Bas Dost e Podence são baixas confirmadas), mas será pouco provável que arrisque a utilização do extremo, quando o calendário continua carregado e o jogo de hoje é o primeiro de duas mãos que vão decidir quem carimba o passaporte para o Jamor.

Até por isso, e porque o FC Porto também não conta com Danilo ou Marcano, para além de André André, os dois treinadores poderão ser comedidos na abordagem à partida desta noite. E ambos concordaram que a instabilidade no Sporting motivada pela possível demissão de Bruno de Carvalho – que ontem foi ilibado pelo TAD de uma suspensão que já cumpriu – não terá efeitos no relvado.

Na hora de rematar, as fichas leoninas deverão estar colocadas, acima de tudo, em Doumbia. O jogador africano ainda não marcou no campeonato, mas tem sido eficaz nas outras competições. Os 7 golos marcados nas taças e na Europa dão-lhe uma média de um remate certeiro a cada 116 minutos de utilização.

É um registo melhor do que Marega (145 minutos para marcar), pior do que Aboubakar (94) e não muito distante do ausente Bas Dost (108). Mas nada que se aproxime de Jonas (88). Já o reforço Gonçalo Paciência precisa de 174 minutos para marcar. Quanto a Montero, ao longo de 2017 ao serviço dos Vancouver Whitecaps, demorou 195 minutos.

Foto: © MOVENOTÍCIAS
Dragões e leões afinam a pontaria | © © MOVENOTÍCIAS
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE