Síria

MSF com centros médicos destruídos pedem "corredor humanitário" em Ghouta

23 | 02 | 2018   17.46H

Os Médicos Sem Fronteiras (MSF) indicaram hoje à agência Lusa que 13 dos 18 centros médicos que a organização apoia em Ghouta Oriental, na Síria, ficaram parcial ou totalmente destruídos por bombardeamentos nos últimos dias, tendo morrido três colaboradores.

"Isto aumenta a necessidade de se obterem medicamentos para que os feridos possam ser assistidos", sublinhou, desde Bruxelas, o diretor adjunto das Operações dos MSF na Síria, Said Fliki, contactado telefonicamente pela Lusa a partir de Lisboa.

O responsável dos MSF salientou que os bombardeamentos e os ataques de artilharia síria contra o enclave de Ghouta Oriental, o último bastião da oposição ao Presidente Bashar al-Assad, fizeram pelos menos 500 mortos e 2.300 feridos desde domingo, incluindo dezenas de crianças, admitindo que os números podem ser "muito superiores".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE