Pedrógão Grande

Risco de incêndio pode vir a ser maior na zona afetada

14 | 06 | 2018   09.00H

O risco de incêndio na zona afetada pelo grande fogo de junho de 2017 pode vir a ser maior do que aquele que existia antes, alerta o especialista em ciências florestais Joaquim Sande Silva.

Um ano depois, a paisagem na zona consumida pelo grande incêndio de Pedrógão Grande, que provocou a morte a 66 pessoas, é marcada por árvores mortas que continuam de pé, assim como pelos eucaliptos que vão regenerando por todo o lado, atingindo já os dois metros de altura, sendo o grande sinal de verde que se vê por entre as montanhas da região.

O professor da Escola Superior Agrária de Coimbra (ESAC) Joaquim Sande Silva sublinha que as árvores que ficam de pé não trazem grande risco de incêndio. No entanto, a história é outra quando se fala da regeneração dos eucaliptos.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE