Actualidade

CEMGFA aponta Navio Polivalente Logístico, patrulhas e veículos como prioridades

09 | 07 | 2018   18.00H

Um Navio Polivalente Logístico, mais navios patrulha, helicópteros para a Força Aérea e veículos de transporte para o Exército são as prioridades para o reequipamento militar, defendeu hoje o Chefe do Estado-Maior das Forças Armadas (CEMGFA), Silva Ribeiro.

"Evidentemente que isso é uma decisão política, mas do ponto de vista operacional, a mim parece-me que o Navio Polivalente Logístico, mais navios patrulhas, helicópteros para a Força Aérea e também mais veículos", são os equipamentos prioritários para as Forças Armadas (FA), disse à Lusa o almirante António Silva Ribeiro.

A aquisição de um Navio Polivalente Logístico foi um projeto que acabou por ficar para trás em 2015. Segundo o almirante Silva Ribeiro, um navio daquele tipo serviria os três ramos das Forças Armadas, sendo útil não apenas para a projeção de forças militares e equipamentos, mas também noutro tipo de operações, enquadrando-se nas missões atuais das FA.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

4 comentários

  • Eu dizia-lhe o que é um polivalente o General do CEMGFA!
    Alvaro | 15.07.2018 | 19.04Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ai sim? E... os submarinos? Ahhhh são pra esquecer? Pois claro. Em 01/10/2012, o alemão, representante da Ferrostaal, Christoph Mollenbeck jantava em Lisboa, com o amigo e compatriota Kai Jusec, sócio-gerente da empresa Agrosistema, depois de ter renegociado as contrapartidas pela venda a Portugal de dois submarinos por 769 milhões de euros, e tinham estacionado à porta do restaurante, junto à Cinemateca, o Audi A6, onde guardava os documentos sobre o caso dos submarinos e que foi misteriosamente assaltado e sem sinal de arrombamento. Foram roubados: o computador portátil e a pasta preta, de marca Porsche, onde guardava, entre outros, um documento original do contrato que tinha assinado nessa tarde com o Ministério da Economia - quanto às contrapartidas pela aquisição dos dois submarinos, em 2004, quando Paulo Portas era ministro da Defesa. Estão lembrados? Pois, nunca mais soubemos nada deste assunto.
    anónimo | 09.07.2018 | 22.01Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Se Fosse proposto lela CEMGFA a redução a 50% de oficiais e capitanias, isso sim, seria uma boa proposta. Esta gente quer, quer e nós pagamos.
    Alvaro | 09.07.2018 | 20.13Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • QUEREM TUDO O POVO QUE PAGUE É UM PAÍS MARAVILHOSO DESDE QUE HAJA PRIVADOS A TRABALHAR PARA ELES ESTA TUDO BEM PAÍS RIQUÍSSIMO NÃO SABEM O QUE FAZER A TANTO DINHEIRO
    O povo | 09.07.2018 | 18.37Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE