CPLP/Cimeira

Secretária-executiva lamenta que pena de morte persista na Guiné Equatorial (REPETIÇÃO)

14 | 07 | 2018   09.03H

A secretária-executiva da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) lamentou hoje que a Guiné Equatorial ainda mantenha a pena de morte no ordenamento jurídico e disse esperar um "posicionamento concreto" sobre esta matéria na próxima cimeira.

A Guiné Equatorial aderiu à CPLP como membro de pleno direito em 2014, mediante o compromisso de promover a difusão da língua portuguesa e de abolir definitivamente a pena de morte, mas desde então mantém-se em vigor uma moratória.

"A seguir à moratória, a Guiné Equatorial devia abolir definitivamente a pena de morte. Infelizmente, até à presente data, não houve a abolição da pena de morte, embora reconheçamos que desde a adoção da moratória, não houve - pelo menos que seja do nosso conhecimento - casos de aplicação da pena de morte", afirmou Maria do Carmo Silveira, em entrevista à agência Lusa, a propósito da XII conferência de chefes de Estado e de Governo da CPLP, que decorre na terça e quarta-feira em Santa Maria, ilha do Sal, Cabo Verde.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE