Incêndios

Dispositivo aumentou, mas melhorias na eficiência demoram anos - especialista

08 | 08 | 2018   17.45H

Um dispositivo de combate a incêndios "maior não quer dizer melhor", alertou hoje o especialista em ciências florestais Joaquim Sande Silva, considerando que melhorias na eficiência demoram anos a dar frutos e que é necessária "uma abordagem mais radical".

O paradigma do combate a fogos florestais "que tem existido nos últimos anos e que fez parte do cenário do ano passado não mudou substancialmente de 2017 para cá. O que foi possível fazer foi acrescentar meios - mexer na quantidade e não na qualidade. E um dispositivo maior não quer dizer melhor e mais eficiente. Melhor o dispositivo ainda não é", afirmou à Lusa o especialista, que fez parte da comissão técnica independente que analisou o fogo de Pedrógão Grande.

A informação que Joaquim Sande Silva obteve do combate ao fogo em Monchique, que deflagrou na sexta-feira, é a de que as fragilidades existentes no dispositivo de combate português mantêm-se inalteradas, nomeadamente a "inexistência de capacidade técnica instalada para analisar o avanço das frentes e tentar identificar as oportunidades", para além de não se optar por ataques mais localizados e recorrendo a técnicas que não usem água, como a criação de faixas de interrupção de combustível ou manobras de contrafogo ou fogo tático.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

3 comentários

  • Que saudades eu tenho dos tempos em que não existia a ANPC e que os fogos eram controlados, geridos e apagados pelos Bombeiros Voluntários. Criaram a ANPC e depois apareceram uns licenciados dos mais de 23 anos......
    Alvaro | 08.08.2018 | 20.07Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • O dispositivo de combate a incêndios nunca será eficiente enquanto a Protecção Civil continuar só com um exército de partisants são humanitários, abnegados e heróicos, esforçados mas são voluntários, mal equipados e na sua maioria com deficiente formação e treino, e sem treino de conjunto, e muitos com faixa etária e nível físico desajustados às funções!
    Jesus Cristo laico | 08.08.2018 | 17.55Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Sempre que oiço a palavra especialista, tremo. Balelas. Quem viu a chegada hoje da etapa da volta a Portugal, viu que a estratégia ali funcionou. Ardeu o ano passado e este ano já não arde. Simples e eficaz. O resto é o negócio desta gente alavancado nos meios.
    Dono dos Burros | 08.08.2018 | 17.54Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE