Actualidade

Mais de 400 anos depois da morte, descobre-se que Caravaggio morreu de sepsis

19 | 09 | 2018   20.51H

A análise ao esqueleto que um grupo de investigadores diz ter confirmado ser o do pintor italiano renascentista Caravaggio revelou, mais de 400 anos após a morte, que este morreu de sépsis, uma infeção generalizada.

Num estudo divulgado na revista 'The Lancet', os investigadores adiantam que as análises revelaram a presença da bactéria 'Staphylococcus aureus'', responsável pelo desenvolvimento de uma infeção grave que culminou em sépsis.

O caráter conflituoso de Caravaggio (1571-1610) terá sido o grande responsável pela sua morte, uma vez que terá sido uma luta em que se envolveu nos seus últimos dias de vida, em Chiaia, Nápoles, sul de Itália, a provocar-lhe os ferimentos que degeneraram numa infeção generalizada fatal.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE