OE2019

Costa recusa eleitoralismo e diz que trabalha para década de convergência com UE

22 | 10 | 2018   23.04H

Lisboa, 22 out (usa) - O secretário-geral do PS rejeitou hoje que a proposta de Orçamento vise somente o amanhã, numa alusão às críticas de eleitoralismo, contrapondo que responde às questões de futuro para uma década de convergência com a Europa.

Esta foi a posição central assumida no discurso que António Costa fez perante os militantes da Federação da Área Urbana de Lisboa (FAUL) do PS, numa sessão destinada a apresentar as linhas gerais da proposta de Orçamento do Estado para 2019.

Sem nunca se referir diretamente à crítica da oposição de que este Orçamento (o último da legislatura) tem objetivos eleitoralistas, o líder socialista e primeiro-ministro insistiu que a proposta do Governo "é de continuidade" em relação às anteriores de 2016, 2017 e de 2018, mantendo a meta de assegurar "contas certas", mas apostando num conjunto de políticas de futuro "para que Portugal tenha uma década de convergência com a União Europeia".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE