Portugal/Angola

Angolanos da Quinta do Mocho querem regressar, mas ainda não é para já

20 | 11 | 2018   05.01H

Os angolanos da Quinta do Mocho, um bairro de Sacavém de paredes 'grafitadas' e 92 prédios amarelos que alberguem 4.000 pessoas, assumem que ainda não é tempo de regressar ao país, apesar das mudanças que veem acontecer em Angola.

Foi neste bairro que a Lusa encontrou José Santos. Angolano, como a maioria dos moradores, tem 39 anos e está em Portugal desde os 17.

"Tenho mais anos em Portugal que em Angola", explicou, José que, tal como muitos dos seus conterrâneos, ambiciona regressar um dia a Angola, mas apenas com uma melhoria das condições de vida no país.

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE