Actualidade

Capitão fala em "polvo" sobre esquema de corrupção nas messes da Força Aérea

14 | 01 | 2019   18.50H

Um capitão disse hoje em tribunal tratar-se de "um polvo" o esquema de corrupção nas messes da Força Aérea, sublinhando que havia uma "sensação de impunidade" entre os militares envolvidos, perante "uma situação normal de há muitos anos".

Orlando Pinheiro, com o posto de capitão, atualmente no ativo, que assumiu a gerência da messe do Centro de Formação Militar e Técnica da Força Aérea (CFMTFA), na Ota, concelho de Alenquer, em meados de setembro de 2014, foi o segundo dos arguidos a prestar declarações no julgamento do processo conhecido como Operação Zeus, com 68 arguidos, 30 dos quais militares e 38 civis, entre empresas e pessoas individuais, que decorre no Tribunal de Sintra.

Este oficial contou ao coletivo de juízes que, quando foi substituir o também arguido major António Pinto na gestão da messe, este passou-lhe o serviço e disse-lhe: "Isto é um polvo", em alusão ao esquema de corrupção que vigorava, com a conivência dos fornecedores.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

1 comentário

  • É polvo, é. E... quando tosse... hã... é como o choco... deita um escarro preto... que suja todos à volta dele. Ahhh Quem é que disse que não podemos usar falar alusivas a animais e depois disse que 'pela boca morre o peixe'? Decerto nunca comeu um 'cachorro' com mostarda?
    Anónimo | 14.01.2019 | 20.18Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE