Crise Académica/50 Anos

Programa da luta dos estudantes está longe de ser cumprido -- Celso Cruzeiro

16 | 04 | 2019   05.01H

Celso Cruzeiro, um dos dirigentes estudantis da Crise Académica de 1969, em Coimbra, reconhece que "muita coisa mudou" no ensino universitário em Portugal, mas defende também que o programa dessa luta está ainda longe de ser cumprido.

"Do ponto de vista das reivindicações temáticas, das reivindicações substantivas [do movimento estudantil de 1969] muita coisa mudou", mas o programa dessa luta "está muito longe de estar cumprido", sustenta, em entrevista à agência Lusa, Celso Cruzeiro, 73 anos, advogado em Aveiro e, então, dirigente da Associação Académica de Coimbra (AAC) e um dos principais protagonistas do movimento conhecido por Crise Académica de 69.

Embora "à primeira vista" pudesse não ser encarado assim, esse programa "era radical na solução material das instituições e do seu modo de funcionamento e do seu conteúdo".

Destak/Lusa | destak@destak.pt
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE