Moçambique/Ciclones

Investigadora defende regresso das crianças à escola para evitar abusos

17 | 05 | 2019   16.38H

A professora universitária Ana Rita Gil, defendeu hoje, em Lisboa, que o regresso à escola das crianças das zonas mais afetadas pelos Ciclones em Moçambique "é urgente", para evitar riscos que, estas vítimas vulneráveis, correm, entre os quais de abusos sexuais.

Ana Rita Gil, que falava na conferência promovida pela Faculdade de Direito da Universidade Nova de Lisboa com o tema "A Catástrofe Humanitária em Moçambique: E depois do Ciclone Idai? Que caminhos?", referiu que após os ciclones Idai e Kenneth cerca de 400 mil crianças ficaram sem escola, ou porque as instalações foram destruídas ou porque passaram a funcionar como abrigos.

"Esta paragem no processo de educação potencia o abandono escolar", afirmou.

Destak/Lusa | destak@destak.pt