Primavera Sound

Os Interpol justificam presença assídua em Portugal com caráter único do país

08 | 06 | 2019   09.27H

O baterista dos Interpol, banda que atuou na sexta-feira à noite no Primavera Sound, no Porto, afirmou hoje que os frequentes regressos a Portugal se devem à unicidade do país, e criticou a pressão das editoras sobre os artistas.

Em entrevista à Lusa, Sam Fogarino explicou que os "fãs" são a causa de vários concertos em terras portuguesass, elogiando um país "tão único quando comparado ao resto do mundo", até no tipo de "regionalismos diferentes" que sempre 'puxou' Portugal, e faz com que pareça um "lugar muito familiar", assim como o próprio evento.

"Toda a gente gosta deste festival. Em Barcelona é brutal, mas há algo de especial no do Porto, que é mais pequeno e parece que estamos mais ligados. Estivemos a caminhar, nunca o fiz em festivais, fomos ver Shellac noutro palco e veio-me à memória quando os vi em Barcelona há vários anos e senti-me igual", afirmou.

Destak/Lusa | destak@destak.pt