PUBLICIDADE
Actualidade

Costa considera que OIT foi "decisiva" para abandonar "projeto incoerente de austeridade expansionista"

19 | 06 | 2019   19.21H

O primeiro-ministro português, António Costa, defendeu hoje na 108º reunião da Organização Internacional do Trabalho a estratégia do seu Governo para contrariar a "austeridade expansionista" dos tempos de crise tendo como base os dados fornecidos por esta instituição.

"Por exemplo, a ideia de que Portugal tinha um mercado laboral excessivamente rígido e que, por isso, o aumento da produtividade exigia a flexibilização das leis laborais foi uma das noções que pudemos contrariar, com base nesses estudos comparativos [da Organização Internacional do Trabalho", afirmou António Costa, falando no plenário da 108º reunião da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

E, segundo o chefe do Governo português, não foi a única noção revertida pelo seu executivo. "O Governo português assumiu, desde o primeiro momento, a necessidade de abandonar o projeto incoerente de austeridade expansionista a que o país foi sujeito durante a crise. Pelo contrário, investimos numa estratégia para a economia e para o emprego", acentuou.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

2 comentários

  • A seguir ao garrote e terrorismo fiscal de cortes etc de PASSOS segue-se um nova forma do mesmo em formato PS e colaboradores.Portugal está cada vez menos atrativo para viver ,fazer carreira profissional publica e privada e o abndono do País e atração de estrangeiros vai ditar a continuação na cauda da EU e um dia do MUNDO LIVRE.
    ariana | 23.06.2019 | 11.33Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Veja-se a carga fiscal e a que se seguirá se PS vencer eleições.Há uma austeridade colossal através dos impostos e retirou os cortes sobre os salários mas nâo ao atualizou.Deu liberdade de escolha ao consumidor em certas áreas ,agora a AUSRERIDADE e CONFISCO CONTINUA.
    Oliveira | 23.06.2019 | 11.25Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE