PUBLICIDADE
Actualidade

Regimes especiais têm de renunciar a regras próprias para escaparem a corte na pensão

08 | 07 | 2019   19.14H

Os funcionários públicos com regimes especiais de reforma, como militares, polícias ou magistrados, só poderão beneficiar do fim do corte do fator de sustentabilidade, que entrará em vigor em outubro, se renunciarem às regras do seu estatuto de aposentação.

A medida consta de uma versão da proposta de lei do Governo, aprovada em Conselho de Ministros em 27 de junho, a que a Lusa teve acesso, que tem como objetivo aplicar aos funcionários públicos, a partir de 01 de outubro, o novo regime de flexibilização da idade de reforma, já em vigor na Segurança Social.

Entre as alterações está o fim do fator de sustentabilidade, que corta quase 15% do valor da pensão, para os funcionários públicos que aos 60 anos de idade tenham 40 anos ou mais de carreira e peçam a reforma.

Destak/Lusa | destak@destak.pt

9 comentários

  • Ainda bem, como se diz, não se pode ter Deus e o Diabo, há que fazer escolhas.
    Alvaro | 12.07.2019 | 22.46Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Os cortes irao sempre existir é uma falsa questão.Resta comparar agora mas as regras futuras serão ainda mais gravosas se continuarem com economia a crescer em camara lenta.
    Noemia | 11.07.2019 | 13.02Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Resta saber para mim é uma certza absoluta que a renuncia provoca descida de pensões visto estar a ser adoptada a convergencia SS e CGA.As Reformas na função publica irao acabar nos 75 ou 80% do vencimento total.Este considerado um PESO e não um direito inalienável assim é por haver pouco crescimento dos privados ,são eles que fornecem o cacau .As esquerdas só redistribuem sacam na vez de se concentrrem na criaçao de riqueza.
    Ilusao | 11.07.2019 | 12.43Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Há muito que as reformas, os prémios das reformas e os respectivos capitais deveriam ser geridos por mútua dos trabalhadores para evitar que os governos se governassem com os capitais das reformas para tapar buracos causados por erros políticos e para fazerem floreados políticos.
    Jesus Cristo laico | 10.07.2019 | 23.10Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Sócrates levou o País a pedir empréstimos que obrigaram a sacrifícios brutais e Costa já com as contas alinhavadas vangloria-se de desfazer o fardo imposto por Passos Coelho, diga-se fardo imposto pelos que emprestaram o dinheiro, a Troika, mas Costa não só mantem os impostos como cria novos e tão mais grave as estruturas do País estão a rebentar pelas costuras, a saúde, os serviços públicos, os transportes, os tribunais, as forças da ordem e até os militares se queixam em alta voz!
    Jesus Cristo laico | 10.07.2019 | 23.03Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Divida e IMPOSTOS sempre a subir, carga fiscal brutal e imoral , reformas a descer.passos tinha a mesma teoria mas mais agressiva,com jeito chegamos a mesma politica.Ao optarem pelas novas regras vao ficar beneficiados?????Istoa tem carta na manga.
    lidia | 09.07.2019 | 09.36Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • Ninguém espera que o Estado seja pessoa de bem. Nunca o foi. Também não é bem assim. No tempo do António de Oliveira Salazar, havia mais cuidado nas sacanices que o estado fazia. Os tempos eram outros, eram tempos em que os panascas eram panascas, mas contidos e não gays sem vergonha como agora. Agora ainda por cima, o Estado está entregue à Tríade, não há chinesa, antes fosse, mas à do Cds-Psd-Ps. Esta escumalha obedece ao liberalismo que lhe é imposto por Bruxelas e Washington. Só que não há mal que sempre dure, nem bem que não acabe. O Soros, esse judeus das finanças, já está a tratar do enterro deste sistema. Em breve nem para uns nem para outros, vão ter que trabalhar até morrer, para alimentarem os refugiados económicos (proxenetas) que as policias portuguesas andam a pescar no Mediterrâneo.
    Dono dos Burros | 08.07.2019 | 22.11Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • As reformas são seguros obrigatórios pagos principescamente cujos capitais os governos usam par diversos e para tapar buracos provocados por erros políticos! Em qualquer das seguradoras da nossa praça tem-se melhores seguros de reforma por menores prestações mensais!
    Jesus Cristo laico | 08.07.2019 | 20.34Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
  • VIVEMOS EM PORTUGAL NÃO TÊM QUE HAVER APOSENTAÇÃO TEM O TEMPO 60 IDADE 40 DESCONTO VAI PARA A REFORMA
    O povinho | 08.07.2019 | 20.19Hdenunciar comentário
    Tem a certeza que pretende denunciar este comentário? sim não
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE